O nadador José Paulo Lopes aumentou hoje para 62 o número de vagas portuguesas nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, em 13 modalidades, ao alcançar a marca de qualificação nos 800 metros livres.

O atleta do Sporting de Braga assegurou a sua estreia olímpica, ao melhorar para 07.52,81 minutos o recorde nacional que já lhe pertencia (08.02,16), tornando-se o sexto nadador português com presença garantida nas piscinas de Tóquio, juntando-se a Gabriel Lopes e Alexis Santos, ambos nos 200 metros estilos, a Tamila Holub e Diana Durães, ambas nos 1.500 metros livres, e a Ana Catarina Monteiro, nos 200 metros mariposa.

O estudante do mestrado integrado em Engenharia e Gestão Industrial da Universidade do Minho, de 20 anos, alcançou a marca na segunda manga das eliminatórias dos Europeus, em Budapeste, onde ainda vai disputar a final da distância, no sábado.

A qualificação de José Paulo Lopes ocorreu pouco depois de Joana Vasconcelos ter assegurado a oitava vaga para a canoagem portuguesa, na Sibéria.

A canoísta natural de Vila Nova de Gaia, de 30 anos, conquistou a vaga na prova de K1 500 metros, ao vencer a derradeira hipótese de qualificação, disputada em Barnaul, na Rússia, repetindo a presença de Londres2012 – foi sexta classificada nas provas de K2 500, com Beatriz Gomes, e K4 500, com Helena Rodrigues, Beatriz Gomes e Teresa Portela.

A antiga atleta do Benfica, atualmente sem clube, ampliou a comitiva da modalidade, que já contava com Fernando Pimenta em K1 1.000 metros, Emanuel Silva, João Ribeiro, Messias Baptista e David Varela em K4 500 e Teresa Portela em K1 200, nas provas de canoagem de velocidade em Toquio2020, e de Antoine Laynay, em slalom.

O regresso de Vasconcelos às competições olímpicas seguiu-se à confirmação da estreia lusa nas provas femininas de 'cross country' olímpico (XCO), pela União Ciclista Internacional (UCI), após um processo de qualificação para o qual contribuiu sobretudo Raquel Queirós.

Aumentaram assim para quatro as vagas no ciclismo, incluindo outra estreia, igualmente no feminino, com Maria Martins no ciclismo de pista, depois de se ter qualificado através do ranking de omnium.

No ciclismo de estrada, Portugal vai ter duas vagas em Tóquio, por via do 23.º lugar no ranking olímpico, que dá a Portugal o direito a ter dois ciclistas na prova de fundo, um dos quais com entrada para o contrarrelógio.

O oitavo lugar de Nelson Oliveira no contrarrelógio dos Mundiais de 2019 permitiu a Portugal ter pela primeira vez dois ciclistas no 'crono' em Jogos Olímpicos.

O andebol continua a ser a modalidade com mais representativa na comitiva lusa, depois de ter assegurado primeira presença de Portugal da modalidade e a estreia 'oficial' das modalidades coletivas de pavilhão, depois da participação lusa no torneio de demonstração de hóquei em patins em Barcelona1992.

No torneio pré-olímpico, a equipa das 'quinas', comandada por Paulo Jorge Pereira, poucos dias depois da morte do guarda-redes Alfredo Quintana, assegurou a qualificação com um triunfo, nos últimos segundos, sobre a França por 29-28, com um golo do capitão Rui Silva, garantindo a presença de 14 andebolistas.

Ainda com uma representação menos numerosa, o atletismo conta com 11 vagas asseguradas, três das quais na maratona feminina, depois dos apuramentos de Carla Salomé Rocha (02:24.47 horas), Sara Catarina Ribeiro (02:26.40 horas) e Sara Moreira (02:26.42).

Pedro Pablo Pichardo e Patrícia Mamona, que se sagraram campeões europeus em pista coberta, têm presença assegurada no concurso do triplo salto, tal como Evelise Veiga, enquanto Auriol Dongmo, igualmente campeã continental em pista coberta, vai participar no lançamento do peso.

Os também lançadores Francisco Belo, no peso, e Liliana Cá, no disco, vão estrear-se em Jogos, enquanto João Vieira, aos 45 anos, tem marca de qualificação nos 50 km marcha e deverá estar pela sexta vez em Jogos - apesar de não ter iniciado os 20 km de marcha em Sydney2000 -, tornando-se no segundo luso com mais presenças, a uma do velejador João Rodrigues, enquanto Ana Cabecinha assegurou vaga nos 20 km marcha.

Segue-se a vela, com os 'repetentes' Jorge Lima e José Costa, que, em 49er, foram os primeiros portugueses a assegurar a presença em Tóquio2020, aos quais se juntaram, já em 2021, Carolina João, de 24 anos, para a competição de Laser Radial, e os irmãos Diogo Costa e Pedro Costa, em 470.

No equestre são já quatro as vagas asseguradas, com Luciana Diniz, nona no Rio2016, a garantir a presença na prova de obstáculos, ainda não sendo oficial que será a luso-brasileira a viajar para Tóquio.

Antes, já estavam assegurados três atletas na equipa de ensino, com a vaga conquistada por Maria Caetano, Rodrigo Torres, João Miguel Torrão e Duarte Nogueira no Europeu.

Portugal vai estar também representado no ténis de mesa, através da equipa masculina, que venceu o seu grupo no torneio de qualificação olímpica.

Em Gondomar, os já olímpicos Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Monteiro asseguraram nova presença na prova de equipas, na qual no Rio2016 foram eliminados na primeira ronda pela Áustria.

A qualificação da equipa garantiu também a vaga para dois portugueses na competição individual. Em 2016, Marcos Freitas, que caiu nos quartos de final, e Tiago Apolónia, eliminado na terceira ronda, foram os representantes lusos.

Fu Yu já tinha assegurado a presença no torneio feminino de ténis de mesa, graças à presença na final dos Jogos Europeus.

Pedro Fraga e Afonso Costa garantiram o apuramento em 'double scull' ligeiro, e asseguraram o regresso do remo nacional aos Jogos, após a ausência no Rio2016.

O veterano Pedro Fraga, de 38 anos, da Académica, vai estar pela terceira vez em Jogos Olímpicos, agora com o jovem Afonso Costa, do Clube Naval Setubalense, de 25 anos, depois do quinto lugar em Londres2012 e do oitavo em Pequim2008, em ambos fazendo dupla com Nuno Mendes.

Rui Bragança, de 29 anos, 'carimbou' o passaporte para a sua segunda presença olímpica consecutiva, no caso para o torneio olímpico de taekwondo, na categoria de -58 kg, tal como Filipa Martins, na ginástica artística.

De regresso aos Jogos Olímpicos estará o tiro com armas de caça, com João Paulo Azevedo no fosso olímpico.

Em estreia, estará o surf, com Frederico Morais, por ter sido o melhor atleta europeu nos Mundiais de 2019.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 realizam-se de 23 de julho a 08 de agosto de 2021.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.