O vento foi o principal obstáculo apontado hoje pelos pilotos após as primeiras duas sessões de treinos livres para o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, que se disputa no domingo no Autódromo Internacional do Algarve.

O holandês Max Verstappen (Red Bull), que terminou o dia como o segundo mais rápido no cômputo das duas sessões, admitiu que o trabalho dos pilotos "está muito complicado".

"Tem tudo a ver com a temperatura dos pneus e não deveria ser assim. Mas é igual para todos. Foi tão mau como no ano passado, porque os pneus não têm tração. É uma pena, porque a pista é incrível", sublinhou o piloto holandês.

Já o australiano Daniel Ricciardo (McLaren) explicou que "o vento tornou a pista mais complicada e mais lenta" e que "era muito fácil derrapar". "É igual para todos, mas os pilotos preferem sem vento", garantiu.

Por sua vez, o britânico Lando Norris (McLaren) considerou que "foi mais duro do que o esperado".

"É difícil dar grandes passos. No topo das colinas, numa volta pode estar bem e na outra muito difícil [devido ao vento]. Torna difícil ser consistente", apontou.

No somatório das duas sessões, Valtteri Bottas (Mercedes) foi o mais rápido, com o tempo de 1.19,648 minutos, realizado na primeira das duas sessões de treinos livres.

O GP de Portugal de Fórmula 1 é a terceira prova da temporada e disputa-se no domingo no Autódromo Internacional do Algarve.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.