As ginastas americanas e campeãs mundiais Simone Biles, McKayla Maroney e Aly Raisman devem testemunhar perante um comité do Senado na quarta-feira, sobre as falhas do FBI na investigação de abusos sexuais cometidos pelo ex-médico Larry Nassar, disse o comité.

Nassar, 58, está em prisão perpétua depois de se confessar culpado no final de 2017 e início de 2018 de agredir sexualmente mulheres e meninas enquanto trabalhava como médico de medicina desportiva na USA Gymnastics e na Michigan State University (MSU).

Cerca de 265 mulheres - incluindo atletas olímpicas, ginastas e atletas universitárias - acusaram Nassar de abusar sexualmente delas ao longo de uma carreira de mais de duas décadas.

Biles, Maroney, Raisman e outra ex-ginasta, Maggie Nichols, vão testemunhar perante o Comité Judiciário do Senado sobre o "abandono de dever do FBI no caso Nassar".

O diretor do FBI, Christopher Wray, e o inspetor geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz, também testemunham, mas numa sessão separada.

O escritório de Horowitz foi o autor de um relatório contundente publicado em julho que investigava a forma como o FBI lidava com as acusações contra Nassar.

Ele descobriu que, apesar da "natureza extraordinariamente séria das alegações" contra Nassar, altos funcionários do Escritório de Campo de Indianápolis do FBI não responderam com "a maior seriedade e urgência que mereciam".

A USA Gymnastics denunciou Nassar ao FBI em julho de 2015, mas ele continuou a ver pacientes na MSU até que um jornal o denunciou em setembro de 2016.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.