Os responsáveis pela investigação a casos de doping no ciclismo britânico disseram hoje que ainda está por provar que a embalagem recebida pela Team Sky durante uma prova em 2011 continha um descongestionante permitido pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

O diretor-geral da equipa, Dave Brailsford, afirmou na semana passada, no Parlamento britânico, que a embalagem suspeita recebida pela Team Sky durante a prova francesa Dauphiné Libéré, em 2011, continha Fluimucil, uma substância permitida pelo pela AMA.

O presidente da comissão parlamentar de Cultura, Comunicação Social e Desporto do parlamento britânico, Damian Collins, observou, em declarações à BBC Radio 4, que “é difícil obter provas concretas acerca do que continha a embalagem e a razão pela qual foi pedida”.

“Pode obter-se facilmente Fluimucil em França. Se era tão simples, qual a razão para pedir o seu envio de Manchester, quando se poderia simplesmente entrar numa farmácia em França e comprá-la?”, questionou o líder da comissão parlamentar.

Esta comissão avalia as suspeitas de doping de vários atletas britânicos de topo, entre os quais o ciclista Bradley Wiggins – que anunciou na quarta-feira o fim da carreira -, depois de a base de dados da AMA ter sofrido um ataque informático por um grupo de ‘hackers’.

Em resposta às questões colocadas pelos deputados, Brailsford tinha explicado que o medicamento foi disponibilizado pelo médico da federação britânica de ciclismo, Simon Cope, por Bradley Wiggins sofrer de asma.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.