Uma grande primeira parte, coroada com dois golos, uma má entrada no segundo tempo, uma reação tardia e um golo não validado aos 93 marcou a atuação de Portugal no Estádio Rajko Mitic, frente a Sérvia, na 2.ª ronda do Grupo A do apuramento europeu rumo ao Mundial2022.

Claro que Portugal pode queixar-se da inexistência do VAR e da tecnologia da linha de golo, que facilmente teriam confirmado que o remate de Cristiano Ronaldo aos 93 minutos entrou totalmente dentro da baliza, antes do corte de um jogador adversário. Mas mesmo que essa jogada tivesse sido validada, não apagaria a desilusão que foi a segunda parte de Portugal.

O 2-2 deixa tudo na mesma na frente, com Sérvia e Portugal, as duas formações mais fortes do grupo, com quatro pontos. Portugal pode fechar esta primeira ronda de jogos com uma vitória na próxima terça-feira quando jogar com o Luxemburgo, mas terá de ter cuidado: a seleção do Grão-Ducado há muito que deixou de ser uma equipa fraca, como prova a vitória alcançada este sábado no terreno da Irlanda.

As melhores imagens do jogo

O jogo: 'Matar' na primeira parte, 'dormir' na segunda

"Não tenho explicação, não consigo encontrar uma explicação". Foi assim que Fernando Santos reagiu no final do jogo, quando questionado sobre a reação da Sérvia no segundo tempo. "O que não contávamos era com o que aconteceu no início da segunda parte", completou.

Difícil entender como Portugal não se precaveu para as mudanças que podiam haver do outro lado, depois de uma boa primeira parte em que foi para o intervalo a vencer por 2-0.

A reação da Sérvia começou nas mudanças operadas no início do segundo tempo por Dragan Stojkovic, que prescindiu do 3-5-2 para atuar em 4-3-3. E, com menos gente na frente, passou a ser mais perigoso no ataque. Isto porque equilibrou no meio-campo, onde Portugal dominou no primeiro tempo por ter três médios para dois da seleção dos Balcãs.

Enquanto a Sérvia tirava partido desta mudança, carregando o seu jogo pela direita, esquerda da defesa portuguesa, Fernando Santos ainda tentava perceber o que se passava: como Portugal tinha passado de dominador no primeiro tempo para dominado no segundo. E enquanto tentava perceber, a Sérvia fazia dois golos em 15 minutos e ameaçava o terceiro, perante a passividade lusa.

Aos 72, quando Fernando Santos finalmente mexeu, já era tarde. Os danos já estavam feitos.

Diogo Jota, uma bela surpresa

As seis mudanças operadas no onze em relação a magra vitória sobre o Azerbaijão ajudaram a Portugal a ter uma boa primeira parte. A entrada forte rendeu um golo logo aos 11 minutos por Diogo Jota, após grande centro de Bernardo Silva, minutos depois de Cristiano Ronaldo ter falhado o 1-0. O jogador do Liverpool repetiu a dose aos 36, agora a centro de Cédric Soares. Dois desvios de cabeça em jogadas simples de Portugal.

Com Bernardo na direita, Diogo Jota na esquerda, Cristiano Ronaldo solto na frente e Bruno Fernandes a deambular pelo campo, Portugal raramente concedeu oportunidades a Sérvia no primeiro tempo. A equipa tinha bola, circulava com calma, saia pela certa e dominava em todas as fases do jogo. Inexplicavelmente, não disso foi colocado em campo no segundo tempo.

Mesmo que Portugal tivesse arrancado a vitória nos descontos naquele golo marcado por Ronaldo aos 93 - a bola entrou, mas a equipa de arbitragem assim não entendeu -, nada disso apagaria aquela péssima segunda parte.

A Sérvia divide a liderança do Grupo A com Portugal, ambos com quatro pontos, contra três do Luxemburgo, que surpreendeu e venceu em casa da Irlanda por 1-0. Este foi o 10.º encontro da Sérvia sem perder nas qualificações para Mundiais de futebol. A última derrota foi em 2012 frente à Bélgica. Já Portugal continua sem perder em casa da Sérvia: em sete jogos, todos de apuramento para o Europeu (2008, 2016 e 2020), Portugal soma três vitórias e quatro empates, com 13 golos marcados e nove sofridos.

Polémica: Ronaldo fez o 3-2 nos descontos, mas golo não foi validado

Aos 93 minutos, um centro largo de Nuno Mendes encontrou Cristiano Ronaldo na área. O guardião Dmitrovic saiu mal dos postes, CR7 atirou para a baliza deserta. Ristic correu e fez um carrinho para afastar a bola já depois de esta a ter ultrapassado totalmente a linha de golo. O árbitro holandês Danny Makkelie ficou à espera do sinal do árbitro auxiliar, este nada assinalou e o golo que daria a vitória a Portugal não foi validado. Um erro que seria facilmente resolvido se houvesse vídeo-árbitro ou tecnologia da linha de golo na qualificação europeia para o Mundial2022.

Os melhores: Pontaria de Diogo Jota, reação da Sérvia

A perder por 2-0 ao intervalo, Dragan Stojkovic, selecionador da Sérvia, mexeu na sua equipa e no jogo, com Portugal incapaz de reagir. Em 15 minutos os sérvios empataram e só não fizeram a reviravolta porque não calhou. Excelente resposta.

Diogo Jota esteve com a pontaria afinada ao marcar os dois golos de Portugal nos únicos dois remates que fez à baliza. Dois desvios de cabeça, em lances onde leu bem as intenções de Bernardo Silva e Cédric Soares. Foi o melhor da frente de ataque lusa.

Os Piores: Ronaldo andou desaparecido e reagiu mal ao golo não validado

Depois de uma exibição fraca frente ao Azerbaijão, Cristiano Ronaldo voltou a estar muito abaixo do que pode render. O capitão de Portugal raramente apareceu no jogo. Tentou em dois livres, todos para fora, fez cinco remates, mas o único que foi na direção da baliza e entrou não deu em golo porque o árbitro considerou - mal - que a bola não tinha ultrapassado a linha de golo. Ronaldo protestou, viu amarelo e atirou a braçadeira de capitão para o chão. Entende-se a frustração, mas a reação não podia ser aquela. Nos dois jogos de qualificação para o Mundial, CR7 fez 14 remates, sete delas de bola parada, mas apenas enquadrou quatro dos seus tiros, sendo que não marcou qualquer golo.

Se a reação sérvia no segundo tempo merece destaque pela positiva, a passividade de Portugal face ao ascendente do adversário merece nota negativa. Só aos 72 minutos Fernando Santos mexeu na equipa, mudanças essas que não trouxeram nada de novo.

Desespero, raiva e uma braçadeira a voar. Assim foi a atuação de Ronaldo no Sérvia-Portugal

Reações: tudo contra o árbitro

Fernando Santos: "O árbitro pediu desculpas, mas é inadmissível não haver VAR. A bola estava meio metro dentro da baliza"

Cristiano Ronaldo: "Há momentos difíceis de lidar, quando sentimos que está uma nação inteira a ser prejudicada"

Diogo Jota elogia reação da Sérvia, mas deixa críticas: "Temos de ser mais pragmáticos e matar o jogo"

Cédric Soares e Danilo lamentam golo anulado mas garantem que "contra o Luxemburgo é para ganhar"

Veja ou reveja os golos e o tento não validado Portugal

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.