O Benfica venceu hoje o Caxinas por 3-1, em Sines, e qualificou-se para as meias-finais da Taça de Portugal, num encontro onde a equipa do segundo escalão se revelou um obstáculo mais difícil do que o esperado.

Os vila-condenses lideram a II divisão nacional, estão bem lançados para regressar à I Liga e colocaram muitas dificuldades à equipa ‘encarnada’, que teve de aplicar-se para vencer o encontro e controlar as ‘investidas’ plenas de intencionalidade do adversário.

É que o Caxinas entrou bastante atrevido, a tentar disputar o jogo pelo jogo e, surpreendentemente, até mais rematador nos primeiros cinco minutos.

Mas o Benfica, naturalmente, foi aumentando o seu volume ofensivo, à medida que o cronómetro avançava, até chegar à vantagem.

Carlos Monteiro, aos 12 minutos, desviou com a anca um remate de Rafael Henmi para o fundo das redes e Robinho (15), com um remate em ‘folha seca’ colocou a bola no ângulo da baliza de Pedro Ferreira, perante o desespero de três jogadores do Caxinas que se precipitaram uns sobre os outros sem conseguir evitar o golo.

O Caxinas teve as suas melhores oportunidades nos pés de Ruben Teixeira (09 minutos) e Lúcio Rocha (18), mas a diferença de dois golos ao intervalo ajustava-se, até por não ser penalizadora para uma equipa que mostrava porque lidera a fase de apuramento do campeão da II divisão nacional.

A abrir o segundo tempo, Robinho (21) não precisou de mais do que 14 segundos para marcar o segundo golo da sua conta pessoal, mas o ‘pé quente’ do ‘capitão’ do Benfica não abalou o Caxinas, que voltou a acercar-se com perigo da baliza adversária, com Lúcio Rocha (24), novamente isolado, a permitir a defesa de André Sousa.

No minuto seguinte, Zezinho voltou a rematar com muito perigo, mas a bola foi desviada para canto, e na cobrança da bola parada o mesmo Zezinho atirou direto à baliza e beneficiou a atrapalhação do ‘guardião’ André Sousa (25), que acabou por desviar a bola para as suas redes.

Excetuando esse deslize, o guarda-redes ‘encarnado’ foi chegando para os ímpetos dos adversários, numa noite em que certamente teve mais trabalho do que esperaria, com o Caxinas a testar a sua atenção sempre que apanhava uma brecha disponível para alvejar a sua baliza.

Depois disso, Jacaré (29), num remate à meia-volta, dentro da área, acertou na base do poste dos vila-condenses, naquele que, após o golo, acabou por ser o lance mais perigoso do Benfica, que foi controlando as operações com muita posse de bola, mas sem conseguir ‘desmontar’ a boa organização defensiva do Caxinas.

Com esta vitória, o Benfica marcou lugar no segundo encontro das meias-finais de quinta-feira, frente ao Marítimo, equipa também do segundo escalão que hoje surpreendeu ao golear o Eléctrico por 7-2, no primeiro encontro da final a oito que se disputa no Pavilhão Multiusos de Sines.

Ficha de jogo

Jogo realizado no Pavilhão Multiusos de Sines.

Benfica – Caxinas, 3-1.

Ao intervalo: 2-0.

Marcadores:

1-0, Carlos Monteiro, 12 minutos.

2-0, Robinho, 15.

3-0, Robinho, 21.

3-1, André Sousa, 25 (própria baliza).

Equipas:

- Benfica: André Sousa, Rômulo, Tayebi, Bruno Cintra e Carlos Monteiro. Jogaram ainda: Martim Figueira, Silvestre Ferreira, Afonso Jesus, Rafael Henmi, Robinho, Chishkala, Rocha e Jacaré.

Treinador: Pulpis.

- Caxinas: Pedro Ferreira, Raul Moreira, Lúcio Rocha, Rúben Teixeira e Rodrigo Simão. Jogaram ainda: Paulinho, Marafona, Zezinho, Rafa, Ricardinho e Jackson Silva.

Treinador: Nuno Silva.

Árbitros: José Gomes (AF Viseu) e Francisco Costa (AF Viseu).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Rafa (26).

Assistência: cerca de 400 espetadores

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.