Uma grande maioria dos americanos mostra-se relutante em assistir a futuros eventos desportivos a menos que surja uma vacina para o coronavírus, é o que revela um estudo levado a cabo pela Seton Hall University.

Com todo o desporto parado em toda a América do Norte durante a último mês desde que a crise da COVID-19 começou, as ligas profissionais já começaram a explorar como e quando as competições poderão ser retomadas.

Mas os resultados da sondagem realizada pela Seton Hall revela muita inquietação entre os americanos quando questionados sobre o seu regresso aos estádios antes de uma vacina ser desenvolvida.

O inquérito a 762 pessoas realizado entre os dias 6 e 8 de abril mostra que 72% não se sentiria seguro em assistir a um evento desportivos sem existir uma vacina. Entre os que se identificaram com fãs do desporto, 61% revela que também não se sentiriam seguros.

12 por cento dos americanos inquiridos afirmaram que se sentiriam seguros desde que existissem medidas de distanciamento social, enquanto que apenas 13% disse que se sentiria seguro de qualquer maneira.

"Este vírus tem a atenção e o respeito da nação", disse Rick Gentile, diretor do Seton Hall Sports Poll. "Aqueles que se identificaram como fãs do desporto estão em linha com o pensamento da população em geral em relação à sua própria segurança e à dos jogadores".

Apoio ao 'shutdown'

Enquanto 40% dos inquiridos acreditam que nenhum desporto deveria acontecer até ao final de 2020, 76% revelaram que manteriam o mesmo nível de interesse caso as competições fossem reiniciadas à porta fechada e transmitidas.

Ao mesmo tempo, o inquérito mostra apoio a decisão das ligas de suspenderem as competiçoes.

76% afirmou que o 'shutdown' aconteceu na altura certa.

84% apoia ainda a decisão do Comité Olímpico Internacional de adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio por um ano.

Os Estados Unidos da América é o país do mundo com mais casos de COVID-19, com mais de 473 mil infeções e mais de 17 800 mortos.

A Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA), a Liga Norte-Americana de Hóquei (NHL) e a Liga Norte-Americana de Futebol (MLS) suspenderam as competições a meio de março, enquanto que a Liga Norte-Americana de Basebol (MLB) adiou o início da época.

Golf, ténis, desportos de combate e de automobilismo foram tambem suspensos devido ao coronavirus.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse no passado sábado que esperava que o desporto pudesse recomeçar mais cedo depois de uma chamada com os comissários das ligas, mas as autoridades regionais mostraram dúvidas em relação à reabertura dos estádios.

"Eu quero os fãs nos estádios... assim que estivermos prontos", disse Trump.

Contudo, o Governador da Califórnia, Gavin Nwesom, cujo o estado tem mais de uma dúzia de equipas de basebol, basquetebol, hóquei no gelo e futebol americano, dúvida que os estádios possam ser abertos antes de setembro.

"Eu não estou a antecipar isso a acontecer neste estado", disse Newsom.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.