Vítor Bruno, treinador adjunto do FC Porto, considerou que os dragões foram superiores durante a maior parte da partida, mas admitiu que a equipa correu riscos no final.

"Penso que era digno de ter adeptos na bancada. Foi um jogo muito competitivo, com equipa de qualidade, onde uma foi mais forte que outra durante 80 minutos. Na parte final, com uma vontade de chegar mais acima na tabela corremos os riscos que tínhamos de correr. Controlamos a dinâmica ofensiva do Benfica. (...) Fomos sempre muito letais na forma como lidamos com a entrada no último terço. Os jogadores foram enormes, é difícil descrever o que representam para nós, é um orgulho muito grande. Ficamos mais longe, mas vamos lutar até ao fim", disse, na flash interview da BTV.

O adjunto de Sérgio Conceição negou a ideia de que o FC Porto teve uma época aquém das expetativas, realçando a campanha na Liga dos Campeões e mantendo a crença matemática no título.

“Está difícil, mas… Os jogadores têm fibra, uma grande vontade de ganhar. Ficar em segundo ou terceiro é pouco importante, este grupo tem por hábito ganhar, quer muito ganhar. Mas sabemos que fica mais difícil. Enquanto houver jogo, vamos até ao fim. Há muitas surpresas no futebol. A equipa tem feito um trajeto ao contrário do que tem sido veiculado para fora, não acho que tenha ficado aquém. É claro que o primeiro objetivo ficou um comprometido, mas fizemos um grande trajeto na Liga dos Campeões", concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto