O extremo do Paços de Ferreira está de regresso ao Peñarol depois de vários anos a jogar em Portugal. Urreta foi emprestado pelo emblema da Mata Real ao clube uruguaio e depois de seis épocas de ligado ao Benfica continua a dizer que não saiu magoado do emblema da Luz.

"Desgostoso, sim. Magoado não. Aproveitei muito enquanto aí estive, dentro e fora de campo. Estou muito agradecido ao clube e a todos pelo que aí vivi. Não tenho nada a dizer de mal do Benfica ou da sua estrutura. Só queria ter deixado a minha marca. Ter jogado mais, ajudado o grupo. Mas o treinador não me deu oportunidades. Sempre fui bom profissional, disponível, sempre me treinei ao máximo mas ele não me escolhia. Era a sua decisão e sempre a respeitei. Saí de consciência tranquila", afirmou Jonathan Urretavizcaya ao diário A Bola.

Sobre Jorge Jesus, Urreta recorda "um grande treinador", que exige muito. "Disso não haja dúvida. Fora do campo não o conheço, nunca tivemos relação. Fiz vários treinos com ele. Ele fala muito, exige muito, mas nem sequer me recordo de algum puxão de orelhas. Toda a gente sabe como é Jorge Jesus. Só tenho pena de não ter conseguido jogar mais", acrescentou o extremo de 25 anos.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.