O presidente da SAD do Famalicão admitiu hoje, em declarações à agência Lusa, que as expectativas para o jogo com o Benfica, da sexta jornada da I Liga de futebol, passam por vencer os 'encarnados', num estádio cheio.

“As nossas expectativas são elevadas em várias frentes. Esperamos um estádio vestido de azul e branco. Depois, espero que a nossa equipa continue a crescer do ponto de vista de performance e faça um bom jogo. Esse bom jogo terá que se traduzir, não só na qualidade do jogo, mas também no resultado. Por isso, a minha expectativa é ganhar sábado”, disse o dirigente, que apelou ainda à serenidade de todos os intervenientes da partida, nomeadamente à equipa de arbitragem, salientando as várias dificuldades que arbitrar um encontro com um clube ‘grande’ pode acarretar.

O presidente da SAD famalicense acredita nas competências de Nuno Almeida, o árbitro nomeado para a partida entre o Famalicão e o Benfica, tendo salientado a experiência como mais-valia.

“Espero também que haja tranquilidade à volta do jogo. Nomeadamente, espero uma equipa de arbitragem, até pela experiência que tem o Nuno Almeida, totalmente impermeável. Percebo que hoje em Portugal é muito difícil arbitrar os jogos contra os ‘grandes’ porque qualquer erro contra os ‘grandes’ é completamente decalcado durante uma semana. Mas, espero, e até pela dimensão do árbitro que vai estar aqui no sábado, que seja completamente impermeável e faça um bom jogo”, pediu o dirigente acrescentando: “Por isso, a nossa expectativa assenta essencialmente em termos um estádio cheio com as nossas cores, em jogarmos bem e ganharmos, e que nenhum externo ao jogo concione ou altere o resultado”.

Questionado sobre o mau arranque do Famalicão esta temporada – após cinco jornadas, está na 15.ª posição, com quatro pontos, depois de uma vitória, um empate e três derrotas –, Miguel Ribeiro mostrou-se otimismo com o futuro e com o processo que a equipa tem vindo a desenvolver.

“Temos que olhar para esta época como um todo. Temos a noção que quando se reconstrói uma equipa, que fazer de bons jogadores - que temos a convicção que temos - uma equipa, demora o seu tempo. Isto é um processo de crescimento. Tínhamos a noção que o início iria ser sempre o mais difícil, mas acreditamos que a equipa vai melhorar na sua qualidade de jogo, porque a qualidade de jogadores existe. E, dentro disto, a nossa expectativa e o nosso otimismo advêm desta qualidade dos jogadores. E temos a certeza que vamos crescer em termos de jogo para atingir aquilo que pretendemos, que é ter um bom jogo com bons jogadores”, afiançou ainda.

A insatisfação dos adeptos com este início da equipa é encarada pelo dirigente de uma forma normal, ainda assim pede “paciência e apoio”, pois acredita que a equipa “está no caminho certo”.

“A insatisfação resulta muito da forma apaixonada como os nossos adeptos vivem o clube. E, naturalmente, querem ganhar sempre e têm pouca paciência para um processo. Agora, estão apenas cinco jornada decorridas. Já na época passada, e na anterior, os inícios foram mais complicados do que propriamente o curso da época e o seu final. Mas, é preciso também termos paciência e é preciso também termos carinho e suportar a nossa equipa para a ajudar a crescer. É uma equipa muito jovem. É um processo que precisa de apoio, confiança. Têm que apoiar a equipa, porque o Famalicão hoje é merecedor desse apoio”, finalizou.

O Famalicão recebe no sábado o líder Benfica, pelas 15:30, em encontro da sexta jornada da I Liga portuguesa de futebol, com arbitragem de Nuno Almeida, da AF Algarve.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.