A venda do Chelsea deverá ficar consumada em definitivo ainda esta semana, com o clube londrino prestes a ser adquirido por um consórcio liderado por Todd Boehly, co-proprietário dos LA Dodgers. Esta quinta-feira foi dado mais um passo nesse sentido, com os Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros de Portugal a darem também o seu aval ao processo, necessário por Roman Abramovich ter também cidadania portuguesa.

Será, assim, o fim de uma 'era dourada' do clube de Stamford Bridge, que começou em 2003, ano em que foi adquirido pelo magnata russo.

Um fim em tons cinzentos, abrupto e acelerado por culpa das sanções aplicadas a Abramovich devido à invasão da Rússia à Ucrânia e que levou mesmo o Chelsea passar por dificuldades financeiras. Impossibilitado de aceder a receitas, em causa chegou mesmo a estar a possibilidade de o clube conseguir verbas para viajar para os jogos fora de portas e, neste momento, enquanto o negócio da venda não é formalmente efetivado, o Chelsea permanece ainda impossibilitado de se 'mexer' no mercado de transferências.

A vitória sobre o Watford, no passado domingo, no fecho de mais uma edição da Premier League, terá representado então o fecho de um ciclo para os 'blues'. Ao todo, foram 19 anos sob a égide do oligarca russo que levaram o clube a tornar-se numa potência do futebol inglês e europeu, à frente dos rivais londrinos Arsenal e Tottenham. O pecúlio? Um total de 21 troféus conquistados nesse período. Antes, do palmarés do Chelsea, fundado em 1905, constavam apenas 15.

Mourinho foi a alavanca para o sucesso

Estávamos em junho de 2003 quando Abramovich se tornou o proprietário do Chelsea Football Club, a troco de 140 milhões de Libras (cerca de 165 milhões de euros), revolucionando não só o clube e o futebol inglês, mas o futebol em geral. O momento marcou a chegada de grandes investidores, multimilionários, ao panorama futebolístico. O Chelsea embarcou então num projeto ambicioso de desenvolvimento.

Governo britânico aprova venda do Chelsea ao consórcio do bilionário Todd Boehly
Governo britânico aprova venda do Chelsea ao consórcio do bilionário Todd Boehly
Ver artigo

O sucesso desportivo, esse, começou a nascer um ano depois. Acabado de conquistar a Liga dos Campeões pelo FC Porto, José Mourinho foi a aposta de Abramovich para assumir o comando da equipa técnica do Chelsea. E o resto é História: muitos milhões investidos em contratações e, logo na primeira época sob as ordens do treinador português, o primeiro título de campeão da 'era Abramovich '. Notável para um clube que não se sagrava campeão inglês há 50 anos.

Sonho da 'Champions' concretizado...duas vezes

Mourinho levaria o Chelsea à revalidação do título na temporada seguinte, conquistando ainda uma Taça de Inglaterra, uma Supertaça e duas Taças da Liga na primeira passagem por Stamford Bridge (voltaria depois, mais tarde, para nova passagem e mais um título de campeão, entre outros troféus).

Porém, na Liga dos Campeões as coisas teimaram em não correr bem a Mourinho nos 'Blues'. E Abrahamovic, depois de dominar em Inglaterra, queria também dominar na Europa. Mas, apesar dos avultados investimentos, o título europeu de clubes teimava em continuar a fugir e o magnata russo ia contratando e despedindo treinadores a um ritmo considerável, perante o inalcançar desse objetivo.

Portugal autorizou venda do Chelsea e receitas serão usadas para fins humanitários
Portugal autorizou venda do Chelsea e receitas serão usadas para fins humanitários
Ver artigo

Curiosamente, esse objetivo viria a ser concretizado até numa temporada iniciada com outro português ao leme. André Villas-Boas, depois de levar o FC Porto à conquista da Liga Europa, chegou a Stamford Bridge em 2011/12 com o epíteto 'novo Mourinho', mas saiu em fevereiro, depois de uma série de maus resultados, cedendo o lugar a Roberto di Matteo e foi sob as ordens do italiano, treinador interino, que o Chelsea e Abrahamovic cumpriram o sonho de vencer a Liga dos Campeões, batendo na final o Bayern Munique.

Os 'blues' estavam no topo da Europa e haveriam de lá voltar mais uma vez ainda na 'era Abrahamovic' quando, na temporada passada, na cidade do Porto, venceram o Manchester City na final para voltarem a erguer o mais ambicionado dos troféus europeus de clubes. Seguiram-se vitórias na Supertaça Europeia e no Mundial de Clubes. Seria, sabe-se agora, o derradeiro troféu conquistado pelo Chelsea com o russo como 'dono'.

Palmarés de Abrahamovic no Chelsea

Premier League: 5 (2004/05, 2005/06, 2009/10, 2014/15 e 2016/17)
Taça de Inglaterra: 5 (2006/07, 2008/09, 2009/10, 2011/12, 2017/18)
Taça da Liga Inglesa: 3 (2004/05, 2006/07, 2014/15)
Supertaça de Inglaterra: 2 (2005 e 2009)
Liga dos Campeões: 2 (2011/12 e 2020/21)
Liga Europa: 2 (2012/13 e 2018/19)
Supertaça Europeia: 1 (2021)
Mundial de Clubes: 1 (2021)

Treinadores que orientaram o Chelsea na 'era Abrahamovic'

Cladio Ranieiri (Itália)
José Mourinho (Portugal)
Avram Grant (Israel)
Luiz Felipe Scolari (Brasil)
Guus Hiddink (Países Baixos)
Carlo Ancelotti (Itália)
André Villas-Boas (Portugal)
Roberto di Mateo (Itália)
Rafa Benítez (Espanha)
Antonio Conte (Itália)
Maurizio Sarri (Itália)
Frank Lampard (Inglaterra)
Thomas Tuchel (Alemanha)

As contratações mais caras do Chelsea na 'era Abrahamovic'

Ao todo, Roman Abramovich gastou, de acordo com uma estimativa da 'Transfermarkt', um total 2,1 mil milhões de libras (2,47 mil milhões de euros) na compra de jogadores ao longo dos 19 anos em que liderou o Chelsea. Eis o 'Top 15' das suas contratações:

Romelu Lukaku: 113 milhões de euros (contratado ao Inter Milão em 2021/22)
Kai Havertz: 80 milhões de euros (contratado ao Leverkusen em 2020/21)
Kepa Arrizabalaga: 80 milhões de euros (contratado ao Athletic Bilbao em 2018/19)
Álvaro Morata: 66 milhões de euros (contratado ao Real Madrid em 2017/18)
Christian Pulisic: 64 milhões de euros (contratado ao Dortmund em 2018/19)
Fernando Torres: 58,5 milhões de euros (contratado ao Liverpool em 2010/11)
Jorginho: 57 milhões de euros (contratado ao Nápoles em 2017/18)
Timo Werner: 53 milhões de euros (contratado ao Leipzig em 2020/21)
Ben Chilwell: 50,2 milhões de euros (contratado ao Leicester em 2020/21)
Mateo Kovacic: 45 milhões de euros (contratado ao Real Madrid em 2019/20)
Andriy Shevchenko: 43,88 milhões de euros (contratado ao AC Milan em 2006/07)
Hakim Ziyech: 40 milhões de euros (contratado ao Ajax em 2020/21)
Tiemoué Bakayoko: 40 milhões de euros (contratado ao Mónaco em 2017/18)
Michy Batshuayi: 39 milhões de euros (contratado ao Marselha em 2016/17)
Didier Drogba: 38,5 milhões de euros (contratado ao Marselha em 2004/05)

Galeria: as contratações mais caras da 'era Abramovich'

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.