Joan Laporta, presidente dos catalães, contou mais alguns detalhes das renegociações com Lionel Messi, revelando que chegou a ter esperança de que o craque "jogasse sem receber o salário".

"Raiva de Messi? Não, gosto demasiado dele para ficar com raiva. Chega a uma altura que vês que não pode ser, e aí há desilusão de ambas as partes. Havia o desejo de ficar, mas estava pressionado pela oferta que tinha. Sabia que se não ficasse, ia para o PSG. Ficará na história do Barcelona como o melhor jogador da história", começou por dizer o dirigente catalão em entrevista à rádio 'RAC1'.

"Tudo indica que tinha a oferta do PSG antes mesmo de sair do Barça. Sabíamos durante as negociações que tínhamos uma contra-proposta muito forte. Quando chegou o momento de tomar a decisão, achei que estava a fazer o melhor pelo clube. Tive a esperança que houvesse uma mudança de rumo e que dissesse que jogava de borla, mas não podemos achar que um jogador deste calibre o faria. Temos uma relação muito boa, ele sabia que eu lhe daria uma recompensa quando recuperássemos as contas", acrescentou.

Laporta comentou ainda sobre o fundo de ajuda para os clubes que, na sua opinião, foi apenas um "rebuçado para o Barcelona pensar que tinha dinheiro suficiente".

"Não havia margem para o colocar no plantel, podia colocar-nos em risco. O Barça está acima de Messi e de qualquer outro. Não havia margem. Não precisamos de mais dívidas e dissemos que se não fosse receita direta, não tínhamos interesse. Era uma operação inviável", concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.