“A empresa autorizará, nos próximos 10 dias úteis, que qualquer entidade, pessoa física ou empresa que pretenda licitar os lotes vagos o faça, credenciando devidamente a respetiva garantia”, escreveu o promotor do leilão, no seu sítio na Internet.

Segundo a mesma fonte, houve uma significativa quantidade de propostas, proveniente da argentinas e do estrangeiro, que não chegaram a ser registadas antes da data limite, anteriormente fixada em 18 de dezembro.

No domingo, foram leiloados somente camisolas, quadros, chapéus e violas, entre outros objetos que pertenceram ao antigo astro do futebol mundial, porém os bens de maior valor, como dois apartamentos e vários carros, não receberam qualquer licitação.

A casa no bairro portenho de Villa Devoto, onde viveram os pais de Maradona, estava fixada em cerca de 800.000 euros, porém ninguém tentou a sua aquisição, tal como ficou vazio o leilão de um apartamento, em Mar de la Plata.

A venda em leilão foi uma proposta dos filhos e herdeiros de Maradona que pretendiam ceder artigos e bens que não conseguiam guardar.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.