O avançado brasileiro Neymar, que assistiu Lucas Paquetá para o golo da vitória do Brasil sobre o Peru (1-0) nas meias-finais da Copa América em futebol, disse na segunda-feira que quer a Argentina na final.

“Eu quero a Argentina, estou a torcer pela Argentina, pois tenho lá amigos. E aí, na final, vai dar Brasil”, afirmou, entre sorrisos, Neymar, quando questionado sobre preferências para a segunda meia-final, entre argentinos e Colômbia.

Quanto ao jogo com os peruanos, o jogador do Paris Saint-Germain deixou elogios a Lucas Paquetá, que resolveu o encontro, aos 35 minutos, em resposta a um passe seu.

“O Paquetá um grande jogador, que vem crescendo a cada partida, a cada jogo que representa a seleção. Fez uma grande temporada pelo seu clube [Lyon] e está a demonstrar que pode ser um jogador muito importante para nós. Fico contente com o jogo que fez. Jogou muito e está de parabéns”, disse Neymar.

O que o ‘10’ dos ‘canarinhos’ não gostou foi da postura do árbitro chileno Roberto Tobar.

“Não pode fazer o que fez. É uma falta de respeito para com todos os jogadores, a forma como ele fala, como ele olha, o que ele fala em campo com os jogadores. Desde o primeiro minuto, eu fui falar com ele e ele foi muito arrogante”, queixou-se.

Segundo Neymar, “não é normal que as duas equipas reclamem, não da forma como ele apitou a partida, pois pode errar ou acertar, mas pela arrogância”, pelo que na sua opinião “não pode ser árbitro de uma meia-final da Copa América”.

Quanto a Lucas Paquetá, não quis ‘escolher’ adversário para a final, garantindo que o Brasil está “preparado para fazer o melhor e justificar o título”.

“Foi um jogo muito difícil, muito disputado e com uma marcação muito forte. Conseguimos assegurar a vitória e avançar”, disse o jogador do Lyon, satisfeito também pelo golo: “Estou muito feliz por poder ajudar a seleção e o Neymar”.

Por seu lado, o selecionador brasileiro, Tite, destacou o facto de a sua equipa ter jogado “há menos de 72 horas e 45 minutos com menos um jogador [nos quartos de final, face ao Chile], o que provocou um desgaste físico e mental muito forte”.

“O Brasil fez uma grande primeira parte, que poderia ter traduzido em mais golos, e, com o passar do tempo, a capacidade para os confrontos e a mobilidade perderam-se um pouco”, disse o técnico ‘canarinho’, explicando a segunda parte menos conseguida.

Ainda assim, Tite deixou os “parabéns ao Paquetá e a toda a equipa, que fez um grande trabalho”, pelo que “mereceu” o apuramento para a final de sábado.

O técnico cumpriu o 60.º jogo pela seleção brasileira, somando 45 vitórias, 11 empates e quatro derrotas, sendo que, contra adversários sul-americanos só perdeu em particulares – duas vezes com a Argentina e uma com o Peru.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto