A judoca Catarina Costa deu a Portugal os ‘mínimos’ nos Europeus de Sófia, competição em que a seleção portuguesa deixou a ideia de ficar aquém, em comparação com o que alcançou nos últimos tempos.

“Os resultados foram bons, trazer uma medalha (prata) e um quinto lugar é sempre bom. Mas, com o que nos habituámos, é normal a sensação de saber a pouco, em comparação com aquilo que temos tido”, reconheceu o presidente da Federação Portuguesa de Judo, Jorge Fernandes.

O dirigente, impossibilitado de marcar presença na Bulgária, por ter tido um teste positivo ao novo coronavírus, esclareceu que esta mesma seleção continua a estar entre as melhores do mundo, e que os resultados “são uma aprendizagem”.

“Os atletas deste nível estão preparados para ganhar, como estão sujeitos a um momento menos bem. Não se deita nada a perder, é mais uma aprendizagem”, defendeu o dirigente.

Na competição, que decorreu entre sexta-feira e domingo, o ponto mais alto aconteceu logo ao primeiro dia, quando Catarina Costa (-48 kg) afastou antigos ‘fantasmas’ para chegar à sua primeira medalha numa grande competição.

A judoca de Coimbra, estudante de medicina, tinha pelo caminho o honroso quinto lugar nos Jogos Olímpicos, Masters, Mundiais e Europeus, ficando sempre à porta do pódio, o que desta vez conseguiu contrariar.

Em Europeus, o percurso também não era simpático, porque vinha de duas competições continentais, Praga e Lisboa, em que não conseguira passar a ‘rebentação das ondas’, como dizia um outro judoca da equipa nacional

“Venho de dois Europeus muito amargos, muito tristes, muito duros, e lembro-me perfeitamente de um ano o meu treinador [o ex-judoca João Neto] me dizer que os atletas mais fortes se destacavam por depois de caírem se levantarem”, reconheceu a judoca de Coimbra.

No mesmo dia de Catarina, as atenções estavam na multi-medalhada Telma Monteiro, a judoca feminina com mais medalhas em Europeus, mas, à 16.ª tentativa – num percurso desde 2004 -, a atleta deixou ‘escapar’ pela primeira vez a medalha.

Telma, que contabiliza seis ouros, duas pratas e sete bronzes, foi surpreendida em -57 kg pela alemã Pauline Starker, tal como a sua companheira de equipa no Benfica, Bárbara Timo (-63 kg), afastada no sábado pela nova campeã europeia Gemma Howell.

Desaires que as duas judocas dizem encarar de frente, com Telma já preparada para novos desafios – explicando querer sempre mais -, enquanto Bárbara admite fazer o ‘luto’ da derrota, para recomeçar.

Do primeiro dia, também Rodrigo Lopes (-60 kg) não ultrapassou a primeira ronda, enquanto Joana Diogo (-52 kg) e Francisco Mendes (-60 kg), um estreante em Europeus – depois de ser bronze num Open -, saem com uma vitória nas rondas inaugurais.

No sábado, dia em que João Fernando (-81 kg) e João Crisóstimo (-73 kg) perderam na estreia, a saída prematura de Bárbara Timo foi o ‘murro’ menos esperado, mas, no domingo, o grande ‘balde de água fria’ veio com a queda do bicampeão mundial.

Jorge Fonseca, medalha de bronze em Praga2020 e que ainda persegue o primeiro título europeu, era o único português a chegar na condição de líder mundial, mas uma distração pontual levou o ‘leão’ ao tapete.

O judoca (-100 kg) nem teve tempo oportunidade para reagir, com a mesa de juízes a entender que o que inicialmente tinha sido dado como waza-ari era, afinal, um ippon, o que significava a inacreditável eliminação de Fonseca na primeira ronda.

Uma derrota que se seguia à anterior eliminação de Anri Egutidze (-81 kg), também no primeiro combate, e um pouco antes de Patrícia Sampaio ser a última resistente, travada por uma complicada lesão nas meias-finais.

O que podia correr mal, correu pior, e a judoca – com o ombro deslocado -, ficou fora de prova, não podendo sequer estar na luta pelo bronze.

“Não vejo como uma coisa má [os resultados em Sófia], é melhor agora, do que no campeonato do mundo, porque aí já pontua para os Jogos [Paris2024]. Os Mundiais são é uma prova em que Portugal não tem muitos resultados e ultimamente começámos a ter”, assinalou ainda Jorge Fernandes.

Os objetivos passam agora por preparar a seleção para a fase de qualificação, que se inicia em junho, com provas como os Grand Slam de Ulan Bator e de Budapeste, e, já em outubro, chegar bem aos Mundiais em Tashkent, no Uzbequistão.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.