Com o isolamento todos fomos obrigados a adaptar as nossas rotinas, sendo forçados muitas vezes a muda-las radicalmente. Se para o comum dos mortais, essa adaptação não é fácil, o que dizer daqueles que precisam de espaços para correr, saltar, rematar, nadar , etc...

São esses casos que o SAPO Desporto vai procurar trazer ao longo dos próximos tempos, com os relatos de atletas das várias modalidades desta vida 'caseira'.

Hoje falamos com Pedro Portela, jogador da Seleção Nacional de Andebol que alcançou o histórico sexto lugar no Europeu da modalidade em janeiro e que milita no Tremblay, da primeira divisão do andebol francês.

Ficou em França, a realizar o isolamento decretado pelo governo francês, com as saídas limitadas ao essencial e com obrigatoriedade de apresentação de uma declaração com o motivo da saída.

O jogador revela que a parte mais difícil dos treinos em casa é mesmo a falta da motivação dos colegas e do trabalho de equipa, mas que esta paragem já serviu para colocar algumas séries em dia.

SAPO Desporto (SD): Pedro, como é que está a situação em França?

Pedro Portela (PP): "Temos de estar em casa, podemos sair para ir buscar bens essenciais, mas temos de levar o papel assinado e a dizer o que vamos fazer à rua"

SAPO Desporto: Já foi abordado para fazer esse controlo?

PP: "Não, ainda não. Mas sei que estão em cima das pessoas, principalmente quem anda a correr, e noto também algum controlo nos supermercados, para ver se as pessoas e os supermercados estão a cumprir com as ordens indicadas"

SD: De que forma é que está a tentar manter o ritmo de treino, agora em casa, longe dos pavilhões?

PP: "Óbvio que não se consegue ter o ritmo que temos quando estamos a treinar em equipa, ou em competição, acho que isso, em casa, sozinhos, não vamos conseguir ter. Isto é mais uma forma de mantermos ativos, porque depois vamos ter de fazer uma preparação"

SD: Qual é que é a parte mais complicada de treinar em casa?

PP: "Para mim é não ter a interação, de puxarmos uns pelos outros. Isso é que é o trabalho de equipa e falta um pouco quando estamos sozinhos em casa. É muito mais difícil treinar sozinho"

SD: Com o adiamento dos Jogos Olímpicos, e apesar do torneio de qualificação continuar agendado para junho, a Seleção Nacional de Andebol viu esse objetivo ficar mais longe do tempo. Como é que viu este adiamento da prova?

PP: "É uma pena, mas acho que faz todo o sentido. Acho que mais vale prevenir do que remediar. Então acho que faz sentido o adiamento, tendo em conta que a situação não é favorável para todos, por isso acho que sim"

SD: Além dos treinos, como é que passa o tempo livre?

PP: "Falar com os amigos na internet, ler, ver séries, filmes. É tentar arranjar o que fazer... Arrumar a casa [ri]"

SD: "O que é que recomenda?

PP: "Eu ando a ver mais séries. O último filme que vi foi os 'Ultras', na Netflix, é sobre claques. Tenho visto 'Toyboy', uma série, acabei 'Elite' , a 'Vis a Vis'..."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.