Depois do empate (1-1) em Braga na primeira mão, a equipa ‘arsenalista’ entrou melhor na partida no estádio Dragão e adiantou-se no marcador aos 14 minutos, com um golo de Abel Ruiz, com o avançado espanhol a ‘bisar’ aos 28 e Piazón a fazer o terceiro, aos 28. Sérgio Conceição não escondeu o descontentamento.

"Sofrer três golos em 30 minutos fica muito difícil, apesar de nunca baixarmos os braços, não faz parte do ADN da equipa. O jogo começa quando o árbitro apita, e acaba quando o árbitro apita. Não podíamos entrar da forma como entrámos, com erros primários. O Braga entrou bem, faz golo em duas situações de erros individuais, o terceiro golo numa falta que me parece inexistente, depois tem ainda uma bola à trave. Não tem a ver com a história deste clube. Fizemos o golo, houve a expulsão do jogador do Braga e a partir daí praticamente não houve mais jogo. Tentámos ter o controlo do jogo claramente, foi bastante visível, não tivemos tanto discernimento, tivemos situações, o Braga sempre a defender de forma baixa [linhas baixas], fez o que lhe competia. Sinceramente, pela nossa entrada, - pelos dois jogos não estou completamente convencido -, mas falando especificamente de hoje, o Braga mereceu", começou por dizer o treinador do FC Porto à TVI.

"Por vezes culpam-me de fazer as substituições tardias. Vou fazendo as substituições consoante a estratégia. Não vale a pena se temos mais ou menos situações. Temos de baixar a cabeça, não é levantar, é mesmo baixar a cabeça, este jogo não é para esquecer, é para rever e analisar o que fizemos menos bem", acrescentou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.