E está encontrado o primeiro ‘Tomba-Gigantes’ da edição deste ano da Taça de Portugal.

Alverca do Ribatejo viu o Sporting a cair com estrondo, saindo derrotado por 2-0 contra o FC Alverca, do Campeonato de Portugal.

Num jogo em que, teoricamente, o Sporting era o claro favorito, o Alverca mostrou que a teoria de pouco vale se não for metida em prática e fez lembrar outros tempos em que, ainda na primeira liga, esteve sem perder com a equipa de Alvalade durante sete jogos consecutivos entre 1999 e 2001.

O FC Alverca saiu para o intervalo a vencer, graças a um golo de Alex Apolinário e aumentou a vantagem já no segundo tempo, por Luan, num jogo em que a equipa do Sporting não contou com muitas oportunidades e que nas que teve encontrou pela frente um guarda-redes inspirado.

O JOGO: Silas apostou na rotação, mas teve de chamar os 'suspeitos do costume'

O Sporting entrou em campo com várias alterações em relação à ultima partida (LASK, Liga Europa), com Silas a promover sete alterações no onze inicial com a entrada de Maximiano, Rosier, Ilori, Borja, Eduardo, Jesé e Vietto, e deixando no banco alguns dos regressados de compromissos internacionais como Bruno Fernandes ou Acuña.

Logo desde o início, o Alverca não se mostrou inibido por estar a defrontar um ‘grande’ e começou logo a deixar Maximiano ‘em alerta’ com duas jogadas que, apesar de terem acabado longe da baliza, serviram de aviso para o que estava para vir.

O Sporting reagiu aos avisos e começou a carregar no meio campo do Alverca. Logo aos três minutos Luiz Phellype, na sequência de um livre tocou na bola mas não a conseguiu meter na trajetória da baliza.

Aos cinco minutos foi a vez de Borja tentar fazer o gosto ao pé com um tiro do meio da rua que passou perto do poste esquerdo da baliza do Alverca e Vietto, depois de tirar dois adversários do caminho; obrigou João Victor a por mãos ao trabalho.

Cheirava a golo em Alverca, e numa altura em que o Sporting estava mais instalado na grande área dos ribatejanos, foram eles que chegaram ao golo.

Alex Apolinário recebe a bola no meio, junto à grande área e com muito espaço dado pelos jogadores do Sporting, remata para o primeiro golo da partida. Estava feita a festa em Alverca e começava o pesadelo ‘sportinguista’.

O Sporting tentava responder, mas sem sucesso. Apesar de ter passado grande parte do tempo depois do golo e até ao intervalo na área do Alverca, os ‘leões’ revelavam-se incapazes de acertar na finalização, demorando muito tempo na definição.

O intervalo aproximava-se e o cheiro a ‘tomba-gigantes’ já se notava no ar do estádio em Alverca do Ribatejo, isto porque, além do Sporting não definir, o Alverca mostrava-se organizado e a sair bem nos contra-ataques, causando sempre perigo.

Tal como causou nos instantes finais da segunda parte: Erik domina a bola com o peito já dentro da grande área e tenta o pontapé de bicicleta que obrigou Max a fazer uma das defesas da noite.

Silas foi ao balneário e regressou com artilharia pesada: entrava Bruno Fernandes para o lugar de Eduardo.

A alteração deu um novo folgo ao Sporting, que ia criando algum perigo, mas sem deslumbrar.

E se não deslumbrava uma equipa, deslumbrava outra.

O Alverca, ia tendo mais bola e retomando a causar o perigo que tinha marcado a primeira parte.

Na sequência de um canto e de vários erros defensivos dos ‘leões’, a bola sobra para Luan que faz o segundo e que faz rebentar a festa no Complexo Desportivo do FC Alverca.

Em resposta ao golo, Silas lançou os trunfos que lhe restavam, com a entrada de Bolasie e Acuña (saíram Borja e Jesé).

E é aqui que entra João Victor: o guardião defendeu todos os (poucos) remates do Sporting, com destaque para o remate de Bolasie, ao minuto 82, já dentro da área e frente-a-frente com o guarda-redes, que Victor defendeu.

Quando não era Victor, era a trave, que tremeu quando o livre à entrada da área marcado por Bruno Fernandes aos 66 foi lá bater com estrondo.

Nos últimos minutos a festa já era grande e a exibição do Sporting deixava os adeptos do Alverca confiantes que a vitória não ia fugir (tão confiantes que lançavam ‘olés’ a cada passe dos seus jogadores) enquanto que entre os adeptos do Sporting a crispação voltava e os assobios já se ouviam.

Luís Godinho apitou para o final da partida e estava confirmado: o Sporting 'tombou' em Alverca, num jogo em que nunca conseguiu acertar o passo e acabou fora da primeira competição esta época.

MOMENTO DO JOGO: O pontapé de Bicicleta de Erik

O Alverca não se mostrou medroso e jogou o seu jogo com as armas que tinha. Ainda assim, demonstrou ter mais cabeça e sentir-se mais livre e confiante ao longo do jogo. A confiança foi tanta que Erik arriscou mesmo um golo que seria, certamente, candidato a um Prémio Puskas.
Só que apanhou pela frente Max que fez uma grande defesa.

MELHOR EM CAMPO: João Victor

Nas poucas ocasiões que o Sporting teve, deu segurança à equipa com as suas intervenções que impediram o golo que poderia servir de tónico à equipa de Alvalade. Destaque para a defesa a remate de Bolasie aos 82 minutos.

PIOR EM CAMPO: Sporting

A equipa de Silas tem qualidade para demonstrar mais do que mostrou no jogo desta quinta-feira. Apesar de ter tido mais bola, não a sobe aproveitar e demorou muito tempo a definir as jogadas, dando tempo aos jogadores do Alverca para se reposicionarem. As alterações feitas por Silas diminuíram a gravidade dos problemas, mas estes mantiveram-se, com os ‘leões’ a não conseguiram quebrar a organização dos ribatejanos. A verdade é que a passagem do Alverca não surpreende face ao que se viu no campo.

REAÇÕES

Silas: "Não precisamos de heróis, precisamos de construir uma equipa"

Frederico Varandas e a derrota em Alverca: "Estamos envergonhados"

Emanuel Ferro: "Resultado não é representativo do jogo"

Vasco Matos: "Sabíamos que podíamos ganhar"

Alex: "Conseguimos um grande feito, mas queremos dar continuidade"

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.