Emoção até ao fim e Max Verstappen é campeão mundial de Fórmula 1! Numa das mais épicas temporadas da história da competição (e, certamente, a mais emocionante dos últimos tempos), o final foi, como não podia deixar de ser, épico.

O piloto holandês chegou à derradeira corrida da temporada 2021 em igualdade pontual com o rival Lewis Hamilton. Queria isto dizer que quem terminasse à frente neste Grande Prémio de Abu Dhabi que marcava o final da temporada seria campeão e Hamilton, que arrancou melhor e foi resistindo a um forcing final do rival, parecendo caminha para o seu oitavo título.

Mas, num autêntico golpe de teatro à beira do fim, a entrada do safety car juntou os dois pilotos à entrada para a última volta, na qual o holandês ultrapassou o britânico para garantir a vitória em Abu Dhabi e o seu primeiro título de campeão do mundo. Aos 24 anos, é o quarto mais novo campeão de sempre.

Veja as melhores imagens da corrida

Hamilton parte melhor e (mais) polémica logo a abrir

Em Abu Dhabi, a corrida começou (como tantas vezes ocorreu ao longo da época) com uma manobra polémica entre os dois. Verstappen partida na pole position e Hamilton do segundo lugar, mas o piloto da Mercedes arrancou melhor e passou para a liderança logo a abrir.

Só que, ainda na primeira volta, Verstappen tentou recuperar a liderança e forçou Hamilton a sair dos limites da pista para segurar a posição. O holandês protestou e pediu que Hamilton fosse obrigado a deixá-lo passar, mas os comissários de corrida não acharam que tal fosse justificado. Assim, Lewis Hamilton com pneus médios, foi alargando a vantagem sobre o concorrente direto ao título.

Primeiras paragens pouco mudam, mas Perez complica vida de Hamilton

Com pneus macios à partida, Verstappen, como era de esperar, parou primeiro e, como sempre, a Red Bull foi rápida na operação de troca de pneumáticos. Mas Hamilton parou logo a seguir e saiu com mais de quatro segundos de vantagem sobre o rival, com Sainz entre os dois.

Na frente da corrida, contudo, ficou Sergio Pérez e o colega de equipa de Verstappen na Red Bull tentou ajudar ao máximo o colega, travando uma interessante luta com Hamilton durante várias voltas e permitindo a aproximação do holandês, que entretanto já se tinha desembaraçado de Sainz. Quanto Hamilton deixou, enfim, Perez para trás a diferença entre os dois era de 4.7 segundos.

Hamilton na frente a meio da corrida e Safety Car virtual

Verstappen também não tardou a passar Pérez e os dois candidatos ao título voltaram a ocupar a primeira e a segunda posição. As voltas foram passando com a diferença entre os dois estabilizada nos 4 segundos e a dúvida residia em saber se ou quando  os dois iriam parar.

A dúvida cresceu quando um carro parado junto a uma curva na volta 34, deu lugar a uma situação de Safety Car virtual. Verstappen optou por parar, Hamilton não. A diferença entre os dois ficou nos 18 segundos, mas com o holandês a ter pneus em melhores condições. Estavam lançados os dados para um final de corrida emocionante.

Das boxes da Mercedes vinha a indicação que, para ser apanhado pelo rival, Hamilton tinha de perder cerca de 8 décimos de segundo por volta. Nas voltas imediatas, Verstappen foi recuperando, mas não o suficiente e a 13 voltas do fim a distância entre os dois ainda estava acima dos 13 segundos.

Queria isto dizer que Verstappen teria agora de recuperar mais de um segundo por volta (e, claro, ultrapassar Hamilton) para chegar ao título.

Safety Car em pista quando tudo parecia decidido, golpe de teatro e Verstappen campeão

Tudo parecia, assim, encaminhado para que Hamilton, com Verstappen distante. Mas, a cinco voltas de fim, golpe de teatro: Latifi despista-se e o Safety Car teve de entrar em pista.

Verstappen voltou a ir às boxes e colocou pneus macios para atacar Hamilton nos instantes finais. Isso fê-lo ficar atrás de vários pilotos com voltas em atraso e só na última volta a direção da corrida decidiu (face a protestos vindos dos dois lados) só deixar os carros dobrados passar o Safety Car mesmo antes de este deixar a pista.

Assim, a última volta começou com Verstappen e Hamilton colados. Verstappen atacou, Hamilton tentou segurar a liderança, lutou, mas com melhores pneus nada podia fazer e o holandês assumiu mesmo o primeiro lugar, a poucas curvas do fim, e foi o primeiro a ver a bandeira de xadrez.

Max Verstappen torna-se, desta forma, campeão pela primeira vez, o 34.º diferente da história da Fórmula 1, com oito pontos de vantagem sobre Hamilton, enquanto a Mercedes venceu o Mundial de Construtores pela oitava vez consecutiva.

Título de construtores serve de (pouca) consolação para a Mercedes. Raikonnen com despedida amarga

Para além da luta pelo título mundial de pilotos, havia outros motivos de interesse. Um deles era a discussão do mundial de construtores e essa, ao contrário da outra, sorriu à Mercedes, com a desistência de Sergio Perez nas voltas finais.

Outro dos motivos de interesse era despedida de Kimi Raikonnen do 'grande circo'. E o adeus do antigo campeão do mundo não foi feliz, com o piloto finlandês a ter de abandonar a corrida a meio.

Mais atrás, na luta pelo quinto lugar do mundial de pilotos, Carlos Saiz Jr (Ferrari) fechou o pódio neste Grande Prémio de Abu Dhabi e, assim, superou Lando Norris (Mclaren) e Charles Leclerc (Ferrari).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.