O experiente piloto francês Sébastien Loeb, que está nesta edição do Rali de Portugal está ao volante de um Ford Puma, mostrou-se hoje empolgado por competir nesta prova, lembrando a paixão do público português pela modalidade.

“Portugal é um rali de que desfruto sempre. Disputei-o, a maior parte das vezes, em Faro e a última vez que estive nesta região [norte] foi em 2019. É um país onde as pessoas amam os ralis, as classificativas são boas e excitantes e estou entusiasmado por fazer parte dele”, disse o piloto, que venceu a prova em 2007 e 2009.

Veja as melhores imagens do primeiro dia do Rali de Portugal 2022!

Loeb, que triunfou na prova inaugural deste campeonato, em Monte Carlo, confessou “ser bom estar de volta ao WRC”, lembrando “que é sempre bom guiar na terra” e prometendo “diversão no carro”.

“A minha estratégia é não ter nenhuma. Vou tentar encontrar o ritmo e fazer o melhor que posso. Sei que o primeiro dia será crucial, porque se não te correr bem, ficarei numa má posição na estrada”, disse o francês.

Também nesta prova portuguesa vai competir o compatriota e igualmente experiente Sébastien Ogier, num Toyota Yaris, que também já não competia desde Monte Carlo.

“Voltei a guiar o carro em testes e fiquei encantado. Estou contente com o compromisso alcançado neste momento. É apenas a segunda corrida que faço, mas percebemos que as coisas estão a evoluir depressa. Espero que a posição na estrada me ajude a encontrar o ritmo desde o início da corrida”, disse o piloto, que já venceu por cinco vezes o Rali de Portugal.

O oito vezes campeão do mundo considerou que “é muito difícil fazer prognósticos para o fim de semana”, apontando que, sendo o primeiro rali em terra da temporada, se colocam “muitas questões relativas à fiabilidade de velocidade dos carros”.

“Tendo pretensões a lutar pela vitória, tenho de ser rápido desde o início. No ano passado senti dificuldades ao longo de todo a prova. Tenho de estar melhor como piloto desta vez” reconheceu Ogier.

Já Thierry Neuville, vencedor do Rali de Portugal em 2018, que volta a competir pela Hyundai, reconheceu que nesta edição “será difícil terminar no pódio”, mas afirmou que os objetivos serão para definir ao longo da prova.

“O rali é longo e temos de definir os nossos objetivos e tentar dar o máximo desde o início. Um pódio seria um bom resultado, mas será duro e creio que será difícil terminar no top-5”, disse o piloto belga.

Neuville confessou ser “divertido ter de volta num rali Sébastien Ogier e Sébastien Loeb” lembrando que os dois franceses “podem ser uma boa ajuda para retirar alguns pontos importantes”.

“Quero sair daqui com alguns pontos e estou ansioso por isso. A equipa está a trabalhar arduamente, mas sabemos que ainda não estamos com tudo a 100 %”, concluiu o piloto belga.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.