O piloto finlandês Kalle Rovanperä (Toyota Yaris) ficou hoje mais perto do triunfo no Rali Safari, no Quénia, ao terminar um segundo dia com 40,3 segundos de vantagem sobre o segundo classificado, o britânico Elfyn Evans (Toyota Yaris).

Rovanperä terminou o dia com o tempo de 2:52.39,7 horas, superando o 'banho' de lama que os pilotos enfrentaram no final do dia, ganhando 13 segundos à concorrência na última das seis especiais do dia.

“Nem sei como consegui. Saímos de estrada duas vezes na água, não conseguíamos manter o carro a direito e não conseguia ver nada. Estou feliz apenas por ter terminado”, frisou o piloto finlandês.

O japonês Takamoto Katsuta (Toyota Yaris) é o terceiro, mas já a 1.25,6 minutos do comandante.

A Toyota está a dominar por completo as operações nesta mítica prova africana, enquanto os seus adversários vão sofrendo infortúnios.

Depois de o francês Sébastien Loeb (Ford Puma) ter sofrido problemas de motor na sexta-feira, hoje foi a vez de o estónio Ott Tänak (Hyundai i20) ter de abandonar com problemas na transmissão e um princípio de incêndio, ao final da manhã, quando era quarto.

Da parte da tarde, foi o belga Thierry Neuville (Hyundai i20) a ficar pelo caminho, na derradeira especial, ao embater numa árvore.

“Um par de quilómetros depois de ter iniciado a especial, numa grande poça, entrou água para o motor, que parou. Perdemos quatro minutos para conseguir arrancar outra vez mas, com a má visibilidade, 200 metros à frente fomos contra uma árvore”, lamentou o piloto belga, que era terceiro.

Os aguaceiros que caíram nos dois últimos troços do dia deixaram as pistas muito difíceis para os pilotos, com muita água e lama a dificultarem a progressão dos carros.

Rovanperä, de 21 anos e líder do campeonato, foi quem melhor se deu com estas condições, ganhando 24 segundos à concorrência nestas duas especiais.

“Percebi imediatamente que estava escorregadio e tentei ser um pouco mais esperto em sítios em que vi que as linhas dos outros pilotos tinham ido mais por fora [da pista]. Tentei ter uma condução limpa”, comentou, no final, admitindo que se tem “sentido mal” ao longo da prova africana.

O francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris), que tinha desistido na véspera, regressou hoje à prova com uma penalização mas, ainda assim, é agora quarto classificado, a 2.38,3 minutos do comandante.

Esta sexta prova do Campeonato do Mundo de Ralis termina domingo, com a disputa de mais seis especiais e um total de 82,7 quilómetros cronometrados.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.