O treinador do Benfica de futsal, Joel Rocha, admitiu hoje que conquistar a Taça de Portugal pela segunda vez consecutiva é a “ambição” da equipa, feito apenas conseguido por uma vez, pela Fundação Jorge Antunes.

Os treinadores das equipas presentes na ‘final a oito’ deram hoje uma conferência de imprensa em conjunto, abordando as partidas que se disputam na quinta-feira, em Gondomar.

Joel Rocha começou por felicitar o Farense, da II divisão, pela presença na fase final da competição, antes de admitir que o símbolo que representa traz “responsabilidades e ambições, que levam a querer vencer todos os jogos”, apesar de “a bola ser redonda” e ninguém conseguir controlar o resultado final, naquela que será uma reedição da final do ano passado, diante do Burinhosa.

“Esta equipa, além de consolidar a qualidade competitiva, conseguiu alinhar um compromisso profissional interessante. Queremos juntar a isso conquistas e troféus. Esta Taça é a nossa ambição, queremos escrever história. Mas para isso, amanhã, é o primeiro capítulo e é no que estamos concentrados. Os jogos são a eliminar, tudo é possível e não queremos ser surpreendidos. Estamos preparados para superar o Burinhosa”, revelou o ‘timoneiro’ benfiquista.

Para Alexandre Pinto, da equipa técnica do Burinhosa, a formação leiriense, apesar de entregar o favoritismo ao Benfica, vai apresentar-se “com o intuito de vencer”, e os “jogadores estão preparados para deixar todo o seu esforço e trabalho em campo”, para impedir a vitória do adversário.

“Na fase da época em que estamos, dificilmente não conhecemos ao pormenor qualquer adversário. O Benfica era um dos adversários no nosso campeonato e temos identificado as grandes qualidades individuais e coletivas desta equipa. Estamos preparados para as minimizar ao máximo, e explorar algumas fraquezas que também as tem”, explicou.

Braga/AAUM e Modicus defrontam-se naquele que é visto como o encontro mais equilibrado desta ‘final a oito’, com as equipas a terminarem nos quarto e quinto postos do campeonato, respetivamente, com o vencedor a ter mais facilidade, na teoria, de chegar à final, pois vai encontrar o Farense ou o Fabril, sendo que os algarvios são da divisão inferior e o Fabril foi relegado ao segundo escalão.

“É o jogo mais equilibrado dos ‘quartos’”, começou por dizer o técnico bracarense, Paulo Tavares, que sublinhou a experiência dos jogadores do Modicus e assegurou que vai ser “decidido nos detalhes, tal como os que fizemos esta época”, nos quais o Braga/AAUM venceu os três.

Para Ricardo Ferreira, ex-capitão e agora na equipa técnica dos sandinenses, esses mesmos “confrontos foram pautados pelo equilíbrio e erros que decidiram”, apontando ambições “para chegar o mais longe possível” e admitindo que chegar à final “é um objetivo claro do clube”.

“O objetivo do Modicus de chegar às fases finais já era um grande premio, mas neste momento temos que chegar mais longe. O objetivo é claro, chegar à final, respeitando os adversários até lá. Toda a gente está empenhada nesse objetivo”, atirou.

Os outros jogos dos quartos de final opõem o Sporting ao Fundão e o já referido Farense-Fabril, com as meias-finais agendadas para sábado e a final para domingo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.