Paulo Gonçalves, piloto português de 40 anos, faleceu este domingo na etapa 7 do Rally Dakar 2020, realizado na Arábia Saudita.

A informação foi confirmada pela organização da prova através de um comunicado.

De acordo com a organização o português sofreu um acidente fatal ao quilometro 276 da etapa deste domingo.

"A organização recebeu um alerta às 10h08 [horas locais] e enviou um helicóptero médico que chegou ao piloto às 10h16 encontrando-o inconsciente depois de uma paragem cardiaca. Depois da reanimação no local, o competidor foi levado de helicóptero para o hospital de Layla, onde foi pronciado morto", escreveu a organização da prova.

Paulo Gonçalves tinha 40 anos e era a sua décima-terceira participação na prova.

O piloto português terminou no top 10 da prova por quatro vezes, tendo sido o segundo classificado em 2015, ficando atrás de Marc Coma, o vencedor.

Paulo Gonçalves estava na posição 46 da edição deste ano.

O piloto português, nascido a 5 de fevereiro de 1979, natural de Esposende, estreou-se no Dakar em 2006, tendo terminado em 25.º lugar.

Em 2007 foi 23.º, tendo alcançado pela primeira vez o top 10 em 2009.

O português competiu por quatro equipas ao longo das suas participações no Dakar: KTM, Honda, Husqvarna e Hero, equipa pela qual corria este ano pela primeira vez.

Em 2015 terminou na segunda posição da classificação geral.

Paulo Gonçalves, no ano passado foi forçado a abandonar a prova devido a uma queda sofrida.

Este ano, o português chegou à prova depois de recuperar de uma fatura que sofreu depois de um acidente em Portugal, no passado mês de dezembro.

Depois de recuperar da cirurgia a tempo, afimou que estar no Dakar 2020 "era uma vitória".

Na terceira etapa, foi dada a desistência do piloto português pela organização da prova, informação que acabou por ser corrigida.

O piloto de Esposende ficou parado ao quilómetro 30 dos 477 que compunham a especial do passado dia 7 de janeiro com o motor da sua mota partido, segundo divulgou a organização no sítio oficial da prova às 06:30 horas, indicando que o piloto luso "decidiu desistir".

Mas três horas mais tarde, a Amaury Sport Organization (ASO) corrigiu a informação, indicando que Gonçalves continuava parado a tentar reparar a avaria enquanto esperava pela chegada do camião de assistência da sua equipa.

Paulo Gonçalves não conseguiu completar o Dakar em cinco das treze participações, tendo alcançado um segundo lugar na edição de 2015, ficando a 16 minutos e 53 segundos do espanhol Marc Coma.

Em declarações ao site oficial da prova, antes do inicio da edição deste ano, o português afirmou que era fantástico ter estado nos três capítulos da história do Dakar.

"É fantástico fazer parte da história, dos três capitulos da história do Dakar. Corri uma vez em África, 11 vezes na América do Sul e agora na Arábia Saudita".

O piloto falou ainda da sua estreia na equipa da Hero.

"É também um novo capitulo para mim, depois de cinco incríveis épocas com a Honda. Ganhei várias corridas, alcancei o título do campeonato mundial. Também terminei em segundo no Dakar e venci algumas etapas. Agora mudei-me para a Hero Motorsports, e estou entusiasmado com este novo desafio", afirmou o piloto na altura.

Na última publicação no seu instagram o português fez um resumo da sua primeira semana na prova.

As reações à partida do português

Em declarações à RTP o piloto Bernardo Vilar mostrou a sua consternação com a partida de Paulo Gonçalves.

"O Paulo era um piloto muito lutador, era um touro bravo e hiper-preparado", disse.

Vilar considerou ainda que o Dakar é a "prova mais perigosa do mundo".

"As pessoas não se apercebem disso. Parece que estão a ver um conto de fadas. Nesta prova já desistiram vários pilotos de motas. Pode haver um final infeliz com uma queda, como aconteceu com o Paulo. O Paulo fica para a história, atingiu o auge ao ser piloto de fábrica e oficial da Honda. Esteve perto de ganhar o Dakar várias vezes", afirmou.

Também Miguel Oliveira, piloto português que participa no MotoGP mostrou a sua tristeza com a morte do piloto.

"Paulo, deixaste uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar contigo. A tua coragem e valentia são exemplo para todos nós", escreveu numa publicação no seu facebook oficial.

Tambem o piloto holandês Tim Coronel mostrou a sua tristeza com as noticias.

Também Madjer, jogador da selecção nacional de futebol de praia, utilizou o instagram para afirmar que o "desporto português e mundial ficou mais pobre" com a morte de Paulo Gonçalves.

*Artigo atualizado ás 12h52

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.