O guarda-redes Lenine viajou diretamente da Cidade da Praia para a Tunísia sem integrar o estágio da seleção cabo-verdiana em Portugal, "por recusa de visto" ou passaporte de serviço, situação que deixou apreensiva a Federação Cabo-verdiana de Andebol (FCA).

O líder da FCA, Nelson Martins, denunciou esta contrariedade à Inforpress, alegando que a alternativa encontrada foi o atleta viajar diretamente para a Tunísia para se juntar à comitiva que partiu de Portugal para o Campeonato Africano das Nações, CAN’20, que decorre de 16 a 21 deste mês.

O dirigente lamentou que o Governo tivesse recusado emitir o passaporte de serviço ao atleta Josimar Tavares, conhecido por Lenine, com o argumento de que "não tem base legal" tal procedimento, o que impossibilitou o guarda-redes do Desportivo da Praia de integrar o estágio em Portugal.

O jogo inaugural do CAN’2020 entre Tunísia e Cabo Verde está calendarizado para as 18h30 locais (16h30) de Cabo Verde, pelo que a seleção deverá chegar ainda esta quarta-feira à Argélia, depois de uma escala em Roma (Itália).

O CAN’2020 realiza-se de 16 a 21 deste mês e Cabo Verde partilha o Grupo C com as equipas nacionais da Tunísia, Costa do Marfim e Camarões.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.