Portugal quer estabelecer o quinto lugar como a melhor classificação de sempre no Europeu de andebol e vai "jogar para ganhar" à Alemanha, colosso da modalidade que será o último adversário no Euro2020, assegurou hoje o selecionador nacional.

"Se formos pragmáticos, ficar em quinto ou em sexto é exatamente a mesma coisa. Se formos competitivos, como temos sido até agora, vamos jogar para ganhar. Sempre. Vamos tentar ficar no ‘top 5', que seria extraordinário", disse Paulo Pereira, em encontro com a comunicação social, em Estocolmo.

Para bater os germânicos, detentores de três títulos mundiais, dois europeus e um olímpico, a chave será, "como sempre, a defesa": "[A Alemanha] marca 35% dos golos em contra-ataque. Vai ser um jogo em que temos de correr. Tem uma primeira linha do melhor que há, embora também tenha dos melhores pontas do mundo".

A seleção portuguesa vai disputar no sábado o jogo de atribuição do quinto e sexto lugares, na Tele2 Arena, em Estocolmo, com a certeza de que já superou o sétimo lugar alcançado no Campeonato da Europa de 2000, realizado na Croácia, o anterior ponto alto da participação nacional na prova.

"É uma sensação dual, porque temos mesmo de ir descansar, porque foi uma luta enorme durante bastante tempo, que felizmente acabou bem, mas não me importava nada de prolongar mais um pouco, jogar contra as melhores seleções do mundo e mostrar que em Portugal também há andebol de qualidade", observou.

Para Paulo Pereira, "esta qualidade sempre existiu" e o que faltou à equipa nacional durante os 14 anos em que esteve afastada das grandes competições internacionais foi "perceber que existia essa qualidade".

"Eu percebia. Não consigo dizer que fui eu que fiz o clique, mas que todos temos trabalhado estes anos todos para fazer o clique, isso temos. Em algum momento tinha de haver um resultado visível", sustentou.

Paulo Pereira chegou inclusive a sonhar com a qualificação para as meias-finais e considerou que a equipa "tinha qualidade para isso", alertando para a importância de "continuar a trabalhar, porque há muitas coisas a melhorar em Portugal para que o andebol seja um desporto sólido".

"Podíamos perfeitamente ter chegado às meias-finais, mas também temos de estar conscientes de que fizemos muitas coisas bem feitas para podermos estar nesta situação, difíceis de fazer, e não sei se será sempre assim", advertiu.

O selecionador notou que Portugal atinge a melhor classificação de sempre no Europeu, após 14 anos de ausência, sem Gilberto Duarte, o seu melhor jogador e marcador na fase de apuramento: "Não se notou a falta do Gilberto. E ele está feliz por isso. (...) Sabe que poderá, se for convocado, jogar o [torneio] pré-olímpico. O sonho continua".

A fase final do Europeu é uma ‘montra' para jogadores e treinadores, mas Paulo Pereira garantiu que ainda não recebeu nenhuma proposta tentadora, revelando que vai "continuar na seleção, porque há muitas coisas para fazer ainda", apesar de, provavelmente, acumular com o comando técnico de um clube.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.