A diretora-geral da Saúde disse hoje que a presença de público nos dois jogos da seleção portuguesa “não quer dizer mais nada se não que estão a ser feitos testes” e acrescentou que poderá ser feito um terceiro “piloto”.

“Isto não quer dizer mais nada senão que estamos a fazer um teste. Estamos a testar o comportamento das pessoas – sem qualquer estigma aqui associado – ver a entrada e a saída de um estádio (…). Vamos ver e observar os comportamentos. São experiências e depois veremos. A avaliação aqui vai ser importantíssima. Não podemos tirar conclusões antes de avaliar estes pilotos”, disse Graça Freitas.

A diretora-geral, que falava na conferência de imprensa de atualização de informação relativa à pandemia da COVID-19 em Portugal, acrescentou que “poderá eventualmente haver um terceiro teste piloto, isto até entrar no que chamou “modo de produção”.

“[Corresponde] a uma fase totalmente diferente e que depende desta avaliação preliminar dos projetos pilotos”, disse Graça Freitas, reiterando que relativamente ao futebol, as autoridades de saúde “têm tido uma situação de precaução e de coerência”.

“Foi sempre dito que a nossa prioridade, neste período que acabou, era a abertura das escolas para vermos todo o comportamento e dinâmica. Não estava prevista a existência de público nos estádios e daí o que referiu [pedidos do Vitória de Guimarães e do Benfica recusados] não terem tido público nos estádios. A situação vai evoluindo e vamos apenas fazer dois testes piloto. E dois pilotos é isso: testar o conceito para ver se resulta em segurança”, apontou.

Na terça-feira foi anunciado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) que os próximos jogos da seleção portuguesa, frente à Espanha e à Suécia, ambos no estádio Alvalade XXI, foram autorizados a receber público.

"No jogo de preparação entre as seleções de Portugal e de Espanha, no próximo dia 07 de outubro, pelas 19:45, no Estádio Alvalade XXI, será autorizada a ocupação de 5% da lotação do estádio com público. No jogo oficial entre as seleções de Portugal e da Suécia, a contar para a Liga das Nações, no dia 14 de outubro, às 19:45, no Estádio Alvalade XXI, será autorizada a ocupação de 10% da lotação do estádio com público", anunciou a FPF em comunicado.

De acordo com a federação, a decisão surgiu "na sequência de reuniões de trabalho havidas nas últimas semanas com o Governo e a Direção-Geral da Saúde", sendo que, no final dos dois jogos, "as equipas operacionais da FPF elaborarão um relatório detalhado, que será analisado pela Autoridade de Saúde com vista a uma eventual autorização da presença de público nos jogos de futebol em Portugal continental, que se reconhece de extrema importância social e económica".

Com a pandemia COVID-19, a presença de público nos estádios de futebol foi proibida praticamente à escala mundial, estando a proibição a ser levantada gradualmente em alguns países, embora ainda não tenha sido dada 'luz verde' em Portugal.

O primeiro teste com público em Portugal será efetuado no próximo sábado, mas ainda sem ser em território continental, com a disputa do encontro entre o Santa Clara e o Gil Vicente, nos Açores, em partida da terceira jornada da I Liga.

A propósito deste jogo e desta autorização, na mesma conferência de imprensa, a ministra da Saúde, Marta Temido, precisou que esse pedido foi dirigido e coordenado pelas autoridades da Região Autónoma dos Açores.

Também sobre este tema, na sexta-feira foi tornada pública a criação do ‘Movimento Sem Adeptos Não Há Futebol’, subscrito por dezenas de personalidades do futebol, que pretende pressionar as autoridades competentes a autorizarem o regresso do público aos estádios de futebol.

Assinam o manifesto do movimento 67 personalidades do mundo do futebol, entre as quais Jorge Jesus, Sérgio Conceição, Pedro Proença, Paulo Futre, Nuno Gomes, Manuel Fernandes, Deco e Fernando Couto.

Paralelamente, o Vitória de Guimarães tentou convidar sócios para o duelo da primeira jornada do campeonato, realizado em 18 de setembro (derrota com o Belenenses SAD, por 1-0), mas a Administração Regional de Saúde do Norte proibiu a iniciativa, com a justificação do "cenário epidemiológico" que então se vivia em Guimarães - o concelho tem 1.173 casos positivos, segundo a informação mais recente disponível no portal da DGS para a COVID-19.

O Benfica queria receber um "número limitado" de adeptos no camarote do estádio para o jogo com o Moreirense, a contar para a segunda jornada e que os benfiquistas venceram por 2-0, mas a DGS não deu a autorização necessária.

A pandemia de COVID-19 já provocou mais de um milhão de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.971 em Portugal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.