Jorge Silas chegou ao Sporting para substituir Marcel Keizer, esteve em Alvalade 158 dias, mas, em março, acabou por ser despedido para dar lugar a Rúben Amorim. Apesar de ter estado no comando técnico dos leões por pouco mais de cinco meses, o treinador português garante que não se arrepende da decisão.

"Passei por coisas pelas quais não passaria tão depressa noutro lugar. Para mim não foi uma desilusão, foi uma experiência, uma oportunidade de aprender. Só durei cinco meses? Para treinar um clube como o Sporting, até por cinco dias ia", referiu em declarações à Sport TV.

Silas lembra ainda que a passagem pelo Sporting poderia ter sido diferente se tivesse começado a temporada. "Os jogadores não foram escolhidos por mim, eram jogadores difíceis de encaixar nas ideias que eu queria, é diferente trabalhar assim. Se tivesse tido pré-época, teria corrido de forma diferente", esclareceu ainda.

Silas recusa ter chegado “cedo” ao Sporting e realça “aprendizagem enorme”
Silas recusa ter chegado “cedo” ao Sporting e realça “aprendizagem enorme”
Ver artigo

Apesar disso, o treinador de 44 anos volta a salientar que não mudaria nada. "Se olharmos aos números, fomos a equipa com mais sucesso da temporada. Mas, não acho que tenha sido uma passagem de sucesso. A história do Sporting exige muito mais do que aquilo que foi essa época. Foi uma grande oportunidade e, honestamente, tomaria as mesmas decisões agora", rematou.

Silas chegou a Alvalade no final do mês de setembro do ano passado para ser o terceiro treinador do Sporting na temporada, depois de Leonel Pontes como interino e de Marcel Keizer. No início de março, depois de 28 jogos ao leme da equipa 'leonina', nos quais somou 17 vitórias, dez derrotas e um empate, Silas acabaria por dizer adeus ao clube.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.