Jorge Jesus explicou o que o levou a deixar o Flamengo e voltar ao Benfica. A amizade com Luís Filipe Vieira, presidente dos 'encarnados', pesou muito na decisão do técnico.

"Primeiro motivo [para voltar] foi a pandemia, o segundo foi o projeto que o presidente do Benfica me apresentou. Trabalhei seis anos com ele, é o presidente que melhor me conhece e o presidente que melhor conheço. Apresentou-me projeto vencedor, de dimensão elevada. Achava que ficaria mais um ano no Brasil e só ele é que podia convencer-me", começou por dizer em entrevista ao programa 'Dia da Cristina', da TVI.

Quando Jesus deixou o Benfica, após terminar o contrato, e assinar pelo Sporting, a amizade com o presidente do Benfica ficou abalada.

"Primeiros seis meses foram complicados, porque como é óbvio eu defendia os interesses do Sporting e ele os do Benfica. Chateamo-nos mas a nossa amizade e respeito era maior e isso voltou a aproximar-nos, fizemos as pazes. E foi nessa lógica que vim para o Benfica", sublinhou.

Jesus confessou também que não tinha noção do impacto que podia causar com a sua mudança para o rival Sporting.

"Não tive muita noção no momento do que estava a acontecer, mudei porque sou treinador e não treinador de nenhum clube. Estou grato a todos os clubes que me fizeram crescer. Quando mudei de clube rival, do Benfica para o Sporting, só depois comecei a perceber o quanto sentimentalmente isso mexeu com as pessoas. Não tinha noção do que podia mexer. Mudei porque achei que era o momento de mudar, como agora, foi o momento de mudar do Flamengo para o Benfica", disse, na entrevista à TVI.

Aos 66 anos, o técnico garante estar apaixonado pelo trabalho. E é isso que o faz querer continuar a ganhar.

"Quando tens amor e paixão pelo que fazes, não sentes a tua idade. Tenho tanta vontade de vencer hoje como quando comecei a carreira. Adoro o que faço e quando adoras o que fazes, o prazer é sempre maior do que qualquer problema que te possa desmotivar", garantiu.

No Benfica Jesus garante ter encontrado condições ímpares para trabalhar.

"Cheguei ao Benfica e o clube era uma coisa, quando sai já era outra coisa e continuou a ganhar, com a mudança de hegemonia no futebol português. E agora querem recuperar o que perderam para o FC Porto. Voltei agora depois de o Benfica perder o campeonato, a prova mais importante para os adeptos. E achei o Benfica completamente diferente, para melhor", começou por explicar.

"As condições de trabalho na Luz e no Seixal, o espaço para os jogadores e para as famílias dos jogadores,... duvido que alguma equipa do mundo tenha a qualidade de trabalho e aquelas condições de exceção. Há alguns jogadores que nem devem pensar que vão jogar, que estão num hotel", finalizou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.