Aníbal Pinto, advogado do colaborador do colaborador do Football Leaks Rui Pinto, confirmou hoje ter sido constituído arguido, na sequência da investigação ao alegado pirata informático, que está em prisão preventiva.

"Nunca participei num crime com consciência disso. Agora, nós [advogados] fazemos uma série de coisas que pode roçar no limite do legal/ilegal. Eu nunca participei em nenhum crime, estou absolutamente tranquilo", disse em declarações à CMTV.

Questionado sobre um alegado encontro com um representante da Doyen em 2015, o advogado garantiu que foi apenas por "cordialidade".

"Isso não é normal. Fui contactado por um advogado que me sugeriu, de facto, um encontro numa bomba de gasolina, o que achei pouco profissional. O colega deu-me a explicação, pediu para ser na bomba. Era um encontro à luz do dia, na via pública e por cordialidade aceitei", garantiu Aníbal Pinto.

"Normalmente quando vou para reuniões, nem sempre os clientes contam tudo aos advogados e muitas vezes não contam de forma certa. É evidente que se eu tivesse a sensibilidade que havia uma ilegalidade nunca iria cometê-la", afirmou.

Aníbal Pinto diz não perceber porque foi constituído arguido três anos após os factos, sublinhando que se limitou a representar, à data, o seu cliente, o qual aconselhou a desistir de prosseguir com o alegado acordo com a Doyen.

Em prisão preventiva desde 22 de março, Rui Pinto, de 30 anos, foi detido na Hungria e entregue às autoridades portuguesas, com base num mandado de detenção europeu, estando indiciado pela prática de quatro crimes: acesso ilegítimo, violação de segredo, ofensa à pessoa coletiva e extorsão na forma tentada.

Na base do mandado estão acessos ilegais aos sistemas informáticos do Sporting e do fundo de investimento Doyen Sports e posterior divulgação de documentos confidenciais, como contratos de futebolistas do clube lisboeta e do então treinador Jorge Jesus, além de outros contratos celebrados entre a Doyen e vários clubes de futebol.

O colaborador do 'Football Leaks' terá entrado, em setembro de 2015, no sistema informático da Doyen Sports, com sede em Malta, e é também suspeito de aceder ao endereço de correio eletrónico de membros do Conselho de Administração e do departamento jurídico do Sporting e, consequentemente, ao sistema informático da SAD 'leonina'.

No período em que esteve detido na Hungria, Rui Pinto assumiu ser uma das fontes do 'Football Leaks', plataforma digital que tem denunciado casos de corrupção e fraude fiscal no universo do futebol, no âmbito dos quais estava a colaborar com autoridades de outros países, nomeadamente, França e Bélgica.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.