O treinador do Sporting de Braga, Carlos Carvalhal, mostrou hoje uma grande crença na anulação da desvantagem de 2-0 trazida da casa do Sheriff e no consequente apuramento para os ‘oitavos’ da Liga Europa de futebol.

“Se com 0-0 seria difícil, com 2-0 a tarefa é mais difícil ainda. Vamos assim para o jogo, mas acreditamos que podemos passar e não são palavras de circunstância, como, às vezes, os treinadores usam. Acreditamos de coração que vamos passar e vamos fazer tudo, do primeiro ao último minuto, para vencer”, afirmou o técnico na conferência de imprensa de antevisão à receção aos moldavos, na quinta-feira, na segunda mão do 'play-off' de acesso aos oitavos de final da Liga Europa.

Carlos Carvalhal deixou elogios ao Sheriff, que venceu na primeira mão, na última quinta-feira, por 2-0.

“É uma equipa que, em sete jogos nesta Liga dos Campeões, só perdeu fora com o Inter de Milão, venceu em Madrid [o Real Madrid], foi ganhar ao Dínamo de Zagreb, empatou com o Shakhtar [Donetsk], fez um percurso excelente, principalmente fora de casa”, frisou.

Por isso, o treinador quer um Sporting de Braga no seu melhor “coletiva e individualmente”, apelando ainda ao apoio do adeptos.

“Espero que, quando estivermos menos bem, empurrem a equipa para a frente e que perdoe um ou outro erro. Temos uma equipa jovem e quando, após um erro, um jogador é tributado com uma salva de palmas, a confiança sobe e o contrário também. Queremos entrar com espírito positivo, que seja uma conquista de toda a gente, equipa e massa associativa”, afirmou.

Carlos Carvalhal notou que o Sheriff “é muito forte nas transições ofensivas”, com “dois jogadores muito rápidos, perigosos e de grande competência”.

“Além de atacar, temos que saber defender. Não quero que seja uma desculpa, mas a relva lá estava muito seca, a bola não rolava e prejudicou a intensidade do jogo, parecia mais lento. Aqui, a relva vai estar como habitualmente e o jogo vai ser mais rápido, vamos poder fazer um jogo com mais intensidade com bola, mas também vamos ter mais cuidado, porque isso beneficia também quem transita em contra-ataque. Em 90 minutos acontece muita coisa, temos que estar equilibrados durante todo o jogo”, disse.

O técnico disse ainda que, a precisar de anular uma desvantagem de dois golos, a forma de jogar da equipa não será alterada, mas as dinâmicas sim.

“Não pretendemos alterar a nossa forma de jogar, mas criar dificuldades diferentes para este jogo da segunda mão. É assim que vamos tentar surpreendê-los. Vai ser difícil, mas estamos apostados em fazê-lo”, reforçou.

Questionado sobre Rodrigo Gomes, titular nas últimas partidas, Carlos Carvalhal disse ser um jovem no qual deposita “grandes expectativas: tem 18 anos feitos recentemente, já jogou no ano passado, estreou-se com 17 anos. Este ano, tem vindo a confirmar a sua competência e evolução, tem correspondido, não é por ser jovem que joga, mas por ter competência e corresponder. No Braga, não há titulares, nem suplentes”, disse.

O defesa-central Paulo Oliveira, a contas com um traumatismo facial na sequência de ter aberto o sobrolho diante do Tondela, no domingo, o que lhe provoca dores de cabeça e algum desconforto, não treinou hoje e é baixa para quinta-feira, tal como os lesionados Sequeira, Lucas Mineiro e Roger.

Carlos Carvalhal já pode contar com André Horta, que cumpriu castigo na deslocação a Tondela.

Sporting de Braga e Sheriff defrontam-se a partir das 20:00 de quinta-feira, no Estádio Municipal de Braga, jogo que será arbitrado pelo espanhol José Maria Sánchez.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.