Leão derrubado, ferido e o registo de novos recordes negativos nesta noite de pesadelo não têm fim: Terceira pior derrota do Sporting na história para as competições europeias, depois do 0-5 frente ao Bayern (2009) e do 2-5 frente ao Barcelona em 2008. Desde 2005/06 que os verdes e brancos não caiam tão cedo das competições europeias.

Não há palavras para descrever tamanha noite de desinspiração e naufrágio para as bandas do conjunto de Alvalade. Não é que não houvesse aviso...o Lask há cinco jogos que estava invicto e tinha 'despachado' o DAC da Eslováquia por uns pujantes 7-0 na 3.ª pré-eliminatória da Liga Europa. O Sporting até parecia que poderia estar mais preparado para este encontro, depois de dois jogos em que saboreou a vitória, frente ao Aberdeen e Paços de Ferreira e sobretudo depois dos regressos de mais dois elementos preponderantes como são os casos do treinador Rúben Amorim e do reforço mais caro do defeso, Pedro Gonçalves (Pote).

No xadrez, Amorim só mexeu uma pedra, lançando Nuno Santos para o lugar de Jovane. Os primeiros minutos até pertenceram aos leões, mas depois a pouco e pouco os austríacos começaram a apertar o Sporting na saída de bola. Forte fisicamente, o Lask também tem jogadores que tratam bem a 'redondinha' e cedo começaram a colocar no tapete verde o seu jogo. Os donos da casa começaram a acumular perdas de bola e foi o Lask quem chegou ao golo, numa bola parada decorria o minuto 14´.  O imponente Trauner cabeceou sem oposição, num lance com muitas culpas para a defesa do Sporting. Começava aqui o pesadelo...mas devagarinho a equipa leonina recuperou o tino e dispôs de várias ocasiões para chegar ao empate. Primeiro por Vietto que surgia por vezes qual número 9 na área, fazendo trocas com Tiago Tomás, mas o argentino não teve a frieza para igualar a contenda. Nuno Santos fugiu na esquerda, uns minutos mais tarde, mas não tomou a melhor decisão. O golo haveria de surgir num lance construído pelo ex-jogador do Rio Ave. Serviu com primazia Tiago Tomás, que com classe desviou do guardião adversário e igualou o marcador.

O golo augurava algo positivo para o conjunto leonino, mas na segunda parte acabou por acontecer o descalabro. O Sporting teve muitas dificuldades em construir, demonstrando pouco ligação e dificuldade para jogar entrelinhas, ao contrário do Lask que pareceu ser uma equipa com processos de jogo muito mais sólidos. Os austríacos souberam aproveitar e de que maneira a incertezas de equipa de Amorim. Aos 58´, depois de uma perda de bola, o Lask colocou-se novamente em vantagem por intermédio de Raguz, que aproveitou da melhor forma um erro de Pedro Porro.

Aos 63´, Coates borrou a pintura, parou Balic e foi expulso. Na conversão do livre direto,  Michorl transformou o lance em golo e quase deu uma machadada no encontro. O Sporting jogava com menos um, e acabaria por sofrer mais um tento, numa perda de bola que Gruber transformou com mestria em golo, num 'picanço' a Ádan. Os austríacos afrouxaram o ritmo, mas ainda assim tiveram oportunidades para dilatar. O Sporting ainda podia ter reduzido, primeiro por Nuno Mendes e mais tarde por Sporar. Os verdes e brancos saem vexados e ficam de fora das competições europeias.

Momento

O momento da expulsão de Coates que antecedeu o golo de Michorl na marcação de um livre. Matou o jogo e impediu qualquer recuperação da equipa da casa.

Melhores

 Andreas Gruber

O melhor dos austríacos, com duas assistências e um golo de levantar o estádio com o chapéu a Adán.

Trauner

Forte fisicamente e uma referência em campo, o defesa e capitão do Lask inaugurou o marcador ao minuto 14´e deu o mote para o que a equipa iria fazer na noite de Alvalade. No setor defensivo esteve imperial.

Tiago Tomás

O jovem avançado do Sporting voltou a ser titular e correspondeu apontando o único golo do Sporting na partida.

Nuno Santos

Conferiu velocidade e profundidade, a equipa não o acompanhou. Na segunda parte, o Sporting praticamente não existiu no relvado.

Pior

Uma derrota para todos refletirem... Foi por demais evidente a fragilidade e a inépcia para lidar com um adversário de nível no primeiro grande teste da equipa esta temporada.

Reações

Hugo Viana: "O grupo está triste, desiludido e revoltado"

Emanuel Ferro: "Não podemos perder a nossa linha e a nossa ambição"

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.