Portugal foi derrotado pela França por 1-0 e não vai defender o seu título na Liga das Nações. O campeão do mundo levou a melhor sobre o campeão da Europa. A equipa das quinas já não perdia há oito jogos e vai ficar em segundo lugar no grupo, comprometendo as suas aspirações na competição.

Veja os resultados do grupo A da Liga das Nações

Veja a classificação do grupo

"São duas grandes equipas e há que haver respeito de parte a parte, mas não subserviência, porque ninguém pode ter medo de ninguém", foi com estas palavras que Fernando Santos lançou o encontro frente à França, mais uma final...Mas desta feita não para decidir um Europeu, mas sim uma presença na 'Final Four' na Liga das Nações.

Portugal e França, empatados no primeiro lugar do grupo com 10 pontos. Só a vitória interessava a cada uma das seleções, de forma a uma delas (só uma podia seguir em rente) poder assegurar desde já um lugar na fase decisiva da competição.

Apesar da vitória mais saborosa de todas na final do Euro 2016, Portugal desde 1946 que não vencia a França em encontros disputados em terras lusas: Os triunfos contavam-se por três, contra cinco derrotas em outros tantos jogos.

Esperavam-se assim dificuldades contra os gauleses, apesar da indisponibilidade de Mbappé um dos jogadores mais dotados no conjunto orientado por Didier Deschamps. O selecionador francês apostou num 4-3-3, com Griezmann, Martial e Coman. Do lado português, Fernando Santos apostou num onze habitual nas escolhas de Fernando Santos, com Ronaldo, Bernardo Silva e João Félix como jogadores mais adiantados. Também do lado luso, Renato Sanches foi baixa por lesão.

Mais bola, mais ataques e mais ocasiões. Só deu França na primeira parte frente a Portugal

Apesar de um primeiro sinal dado por Ronaldo logo no início da partida, a França chamou para si o controlo da partida, cortando os espaços para Portugal desenvolver o seu jogo.

Muita pressão do gaulês que começou por sufocar Portugal, com um futebol rendilhado de pé para pé, e com a equipa da quinas com muitas dificuldades em penetrar no último terço do adversário. Se a equipa portuguesa foi para o intervalo com a baliza a zero, deve-o ao guardião português. Primeiro parou o remate de Coman nos primeiros minutos, depois o guardião português teve que sair aos pés do Martial. Ao minuto 19´, só por um milagre a França não chegou ao golo, depois de um cabeceamento de Rabiot, com o guardião português já batido.

Portugal tentava responder como podia e quando faltava arte e engenho para abrir a defensiva gaulesa, só na meia distância os lusos conseguiram criar perigo nos primeiros 45 minutos. Primeiro num livre de Ronaldo, mais tarde num pontapé de Bruno Fernandes, mas sem incomodar em demasia Lloris.

A França estava solta em campo, criativa, pressionante. Aos 31´ construiu obra prima que só foi parada pela trave, depois de finalização de Martial que desviou um pontapé acrobático de Rabiot. Com o 'ferro' e Rui Patrício a manterem a baliza portuguesa a zeros, e sem jogo jogado para contrariar os franceses, numa bola parada a equipa lusa quase marcou. Cabeceamento de Ronaldo, depois de um canto a passar ligeiramente desviado.

Depois de uma primeira parte de um só sentido, Portugal entrou com outra capacidade na segunda parte. Um lance trabalhado por Guerreiro e Félix começou por causou calafrios a Lloris. Bernardo Silva falhou a finalização. Porém apesar da entrada com sinal mais dos lusos na segunda parte, foi a França a marcar. Remate de Griezmann , Rui Patrício defendeu para a frente e na recarga a França marcou mesmo. Com um resultado no marcador que não interessava, Fernando Santos arriscou, tirando um médio (William) e lançando mais um avançado (Jota).

Foi assim que Kanté inaugurou o marcador no Portugal-França
Foi assim que Kanté inaugurou o marcador no Portugal-França
Ver artigo

Portugal cresceu, foi para a frente, mas deu sempre a sensação que a França estava confortável no jogo. Ao minuto 60´, José Fonte atirou ao poste, depois de uma defesa incompleta de Lloris após um remate de Rafael Guerreiro.

Fernando Santos mexeu outra vez: Entraram Paulinho e Sérgio Oliveira, mas o resultado não sofreria mais alterações. A França foi sempre superior em posse e na circulação. Faltou agressividade à equipa portuguesa para contrariar os gauleses que nunca conseguiu dar largura ao jogo. Talvez a equipa das quinas pedisse Jota a titular o encontro frente aos gauleses.

A França tem agora 13 pontos, Portugal 10 pontos e são os gauleses que seguem em frente, com uma jornada por disputar na Liga das Nações.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.