As equipas portuguesas sAw e Vodafone Giants tinham grandes espectativas na sua participação na BLAST Rising, mas acabaram por tombar na frase de grupos.

Depois de uma primeira volta com as três derrotas, a equipa de Ricardo “Fox” Pacheco necessitava de vencer todas as partidas da segunda, para manter a esperança da passagem. Mas a derrota com a Nordavind ditou a sua sentença, mesmo que tenha amealhado as duas vitórias nos embates seguintes, ficando no terceiro lugar do Grupo B.

Já a sAw, que tinha boas espectativas na sua participação na prova desiludiu, somando apenas uma vitória nos seis encontros possíveis das duas voltas, contra a AVEZ, na primeira mão. Para a fase seguinte passaram a Team Heretics e a AVEZ.

Talvez a eliminação mais bizarra tenha sido a da espanhola Movistar Riders, que ficou em terceiro lugar no grupo, com os mesmos 12 pontos das suas adversárias que passaram, a Japalemo e a Fate. O desempate foi feito, como sempre, no balanço de rondas ganhas e perdidas, e nesse caso, o saldo da formação espanhola foi de 1, menos 4 que os 5 da Fate Esports.

Blast Rising

Nos playoffs, jogados em formato Bo3, vão encontrar-se a Endpoint contra a AVEZ, a Nordavind contra a Fate Esports. Seguindo-se a Japaleno contra a HAVU Gaming, e a Team Heretics vai encontrar a Alternate aTTaX.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.