“Vivi uma coisa que ninguém me pode tirar: agora sou um atleta olímpico. Daqui a três anos há mais e eu vou voltar para estar no meu melhor. Comecei a época muito bem e, se não fosse a lesão que tive no início do ano, que me fez parar algum tempo, acho que poderia estar melhor”, afirmou o atleta, de 26 anos, natural de Lisboa.

Ricardo dos Santos ficou aquém do seu recorde nacional (45,14 segundos), alcançado em Berlim, em 10 de agosto de 2018, confirmando o ‘estatuto’ de sétimo e penúltimo mais rápido da sua série: terminou no sétimo posto, em 46,83 segundos.

Avançaram para as semifinais os três primeiros de cada série e os seis mais rápidos entre os restantes, tendo essa ‘baliza’ ficado nos 45,51 segundos, por Alonzo Russel, das Bahamas, apesar de alguns dos apurados diretamente terem sido mais lentos – efetivamente, o último qualificado marcou 45,64.

“Claro que queria sair com uma marca melhor do que 45,5, mas hoje não deu, estava um calor muito maluco, reconheceu o atleta que reside em Inglaterra, onde é treinado por Linford Christie, campeão olímpico dos 100 metros em 1992 e do mundo em 1993.

O velocista do Benfica reconheceu ter protagonizado um apuramento ‘apertado’, com a 48.ª e última vaga através do ‘ranking’ na distância, graças ao desempenho em 2019.

“Cheguei aqui pelo mérito do que fiz há dois anos. Agora vou começar tudo de novo, pensar no Mundial do próximo ano e os seguintes, para estar muito mais forte. Para isso, primeiro, não posso voltar a ficar lesionado, isso é o principal, porque isso notou-se muito. Acho que, com um ano completo, vou estar muito melhor”, concluiu.

O norte-americano Michael Cherry foi o mais rápido na qualificação, com 44,82. O sul-africano Wayde van Niekerk, que, com 43,03 no Rio2016, bateu o recorde do mundo de Michael Johnson, avançou para as semifinais com o 12.º melhor tempo (45,25), tal como o granadino Kirani James, medalha de prata no Rio2016 e atual campeão do mundo, com 45,09.

O norte-americano Randolph Ross, que detinha a melhor marca do ano (43,85), falhou a qualificação, ao terminar a segunda série no quarto lugar, com o tempo de 45,67.

As semifinais dos 400 metros estão marcadas para segunda-feira e a final para quinta-feira.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.