Durante o contrarrelógio, Moster usou uma comparação considerada racista para encorajar o ciclista Nikias Arndt, que se preparava para ultrapassar dois corredores que partiram antes dele, o eritreu Amanuel Ghebreigzabhier e o argelino Azzedine Lagab.

Nas imagens televisivas, transmitidas em direto e amplamente difundidas nas redes sociais, ouve-se o diretor desportivo alemão incentivar Arndt a apanhar “os cameleiros”.

“Estamos convencidos de que os seus pedidos de desculpa públicos pelas palavras racistas que proferiu ontem [quarta-feira] são sinceros, mas o seu deslize viola os valores do olimpismo: para a equipa da Alemanha, o fair-play, o respeito e a tolerância não são negociáveis”, justificou o presidente do Comité Olímpico alemão, Alfons Hörman.

Moster pediu reiteradamente desculpas em diferentes meios de comunicação, assumindo que a sua expressão foi intolerável e desnecessária.

“Lamento imenso, o mínimo que posso fazer é apresentar as minhas desculpas. […] Aquilo não se deveria ter passado”, declarou.

Nikias Arndt, que foi 19.º no ‘crono’, que o esloveno Primoz Roglic venceu, condenou imediatamente as palavras do seu treinador.

“Estou assombrado e quero dizer claramente que me distancio dessas palavras, que são inaceitáveis”, escreveu o ciclista da DSM no Twitter.

Todas as notícias e reportagens sobre Tóquio 2020 acompanhadas ao minuto pelo SAPO Desporto

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto