O selecionador nacional, Fernando Santos, costuma ser conservador nas opções iniciais para o segundo jogo em fases finais de grandes competições, mexendo pouco, ou não mexendo, de todo, em relação às partidas de estreia. No entanto, terá de tomar outras medidas diante do Uruguai, uma vez que Danilo e Otávio estão lesionados.

Assim, o técnico não poderá dar sequência ao que fez no Euro2016, no Mundial2018 e no Euro2020, quando utilizou um ‘onze’ quase igual ao que iniciou o jogo inaugural.

Nas três fases finais de grandes competições em que liderou Portugal, Fernando Santos não fez mais do que uma alteração do primeiro para o segundo jogo, ainda que, como se sabe, as opções dos treinadores tenham em conta o adversário que se enfrenta, mas também eventuais constrangimentos físicos ou disciplinares de jogadores.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

Na primeira fase final ao ‘leme’ da equipa das ‘quinas’, no Campeonato da Europa de 2016, de tão boa memória para os portugueses, o selecionador mudou uma ‘peça’ do jogo com a Islândia (1-1) para o duelo com a Áustria (0-0), tirando João Mário, titular com os nórdicos, e lançando Ricardo Quaresma, diante dos austríacos.

Dois anos depois, no campeonato do Mundo de 2018, sucedeu precisamente o mesmo entre o encontro com a Espanha (3-3) e a partida com Marrocos (vitória por 1-0), curiosamente com João Mário novamente na ‘equação’, mas dessa feita entrando para o posto de Bruno Fernandes, que tinha alinhado de início com os espanhóis.

Já na última competição, o Euro2020, disputado no ano passado, Fernando Santos não promoveu qualquer alteração sequer, utilizando a mesma formação titular na estreia, com a Hungria (vitória por 3-0), e na segunda jornada, com a Alemanha (derrota por 4-2).

Neste particular, o conservadorismo do treinador luso, que está à frente da seleção nacional desde 2014, é ainda mais reforçado se se recuar até ao período em que liderou a Grécia, sendo que no Mundial2014 trocou dois jogadores entre a derrota com a Colômbia (0-3) na estreia e a vitória ante o Japão (1-0), lançando Fetfatzidis e Mitroglou para os lugares de Salpingidis e Gekas.

A exceção surgiu há uma década, precisamente na primeira fase final em que participou, o Euro2012, também com os helénicos, em que alterou quatro ‘peças’ do empate com a Polónia (1-1) para o desaire com a República Checa (1-2): Avraam Papadopoulos, Sokratis (expulso frente aos checos), Ninis e Gekas deram lugar a Kyriakos Papadopoulos, Fotakis, Salpingidis e Fortounis.

Portugal e Uruguai jogam esta segunda-feira, a partir das 22h00 locais (19h00 em Lisboa), no Estádio de Lusail, em encontro da segunda jornada do Grupo H do Mundial2022.

O Campeonato do Mundo decorre até 18 de dezembro, no Qatar.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.