O momento foi captado pelas câmaras da transmissão televisiva do Manchester City-Borussia Dortmund e rapidamente causou alarido.

Octavian Sovre, um dos árbitros assistentes, dirigiu-se a Erling Haaland para que este lhe autografasse os cartões.

Nos dias seguintes, soube-se que os cartões não eram para a coleção pessoal do árbitro, mas sim para ajudar uma associação que ajuda crianças e adultos com autismo a 'SOS Autism Bihor'.

Mesmo com uma vertente solidária, o gesto não caiu nada bem junto de Roberto Rosetti, líder da arbitragem da UEFA, que, num e-mail enviado aos árbitros, apelou ao comportamento correto das equipas de arbitragem.

"São responsáveis pelo vosso comportamento e pelo comportamento dos membros das vossas equipas quando estão em missão da UEFA. A UEFA tem lutado para que sejam tão respeitados como os jogadores e vocês ajudam nisso ao serem atléticos, líderes, respeitosos e profissionais", começou por dizer, numa mensagem divulgada pela Sky Sports.

Rosetti considerou que se tratou de algo "inaceitável", prejudicial à dignidade da profissão, recordando ainda o número de câmaras presentes nos jogos.

"Se querem ser tão respeitados como os jogadores, porque é que pediriam pelo seu autografo ou pela sua camisola? Eles pedem-vos o mesmo? Isto é simplesmente inaceitável, é uma questão de dignidade e não se esqueçam no número de câmaras de televisão que existem nos jogos da UEFA - elas apanham tudo", concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.