O Leipzig, de André Silva, ‘sobreviveu’ a uma expulsão à hora de jogo e conseguiu chegar ao desempate por grandes penalidades na Taça da Alemanha de futebol, numa final que lhe deu o primeiro título da história.

O avançado internacional português foi um dos ‘sacrificados’ aos 61 minutos, dando lugar a Szoboszlai, poucos minutos depois do central Halstenberger ser expulso, devido a uma falta grosseira.

O Leipzig já perdia por 1-0, com o Friburgo a marcar aos 18 minutos, por intermédio de Eggestein, e foi já no último quarto de hora de jogo que o francês Nkunku – o melhor marcador do Leipzig na Liga alemã – deu alento à equipa.

O avançado francês apontou o golo do empate aos 76 minutos, perante a ‘frustração’ do Friburgo, que no prolongamento ainda teve duas bolas nos ferros da baliza de Gulacsi, mas não evitou a ‘lotaria’ das grandes penalidades.

Na sempre ingrata decisão na marca dos 11 metros, o Leipzig não falhou nenhuma grande penalidade, enquanto do lado do Friburgo Gunter e Demirovic falharam o segundo e quarto penáltis, permitindo ao Leipzig vencer por 4-2 nas grandes penalidades.

Para o clube fundado em 2009, é o primeiro grande troféu, depois de ter sido finalista vencido na Taça em 2019 (derrota com o Bayern Munique) e em 2021 (com o Borussia Dortmund), enquanto o Friburgo, campeão alemão em 1907, disputava a sua primeira final da Taça.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.