O ex-futebolista brasileiro Pelé confessou hoje que não teve medo de morrer, durante a complicação renal que o manteve internado durante 15 dias no hospital Albert Einstein, de São Paulo.

“Não tive medo de morrer, porque sou um homem de três corações”, disse Edson Arantes do Nascimento, à saída do hospital, aludindo à sua cidade natal, Três Corações, no estado de Minas Gerais, no sudeste do Brasil.

No entanto, a estrela do futebol brasileiro, de 74 anos, reconheceu que, nos piores momentos da sua infeção urinária, que, inclusive, o obrigou a fazer diálise, chegou a pensar que Deus o tinha esquecido.

“Estou preparado para os Jogos Olímpicos [do Rio de Janeiro, em 2016]”, brincou Pelé, numa conferência de imprensa à saída do hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O ex-futebolista foi hospitalizado por uma infeção urinária, com complicação renal, a 24 de novembro, dois dias depois de receber alta após ter sido submetido a uma operação para a extração de cálculos renais, uretrais e vesicais.

“A minha reação foi de surpresa. Tinha suores frios, mas era algo que já tinha sentido antes. Nunca pensei que fosse uma infeção”, explicou.

O antigo ministro do Desporto do Brasil deixou na terça-feira passada a unidade de cuidados intensivos, depois de passar cinco dias em estado grave.

Pelé é o único jogador que venceu por três vezes o Mundial: conseguiu-o em 1958, na Suécia, em 1962, no Chile, e em 1970, no México.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.