A capitã da seleção de futebol feminino dos Estados Unidos (EUA), Megan Rapinoe, confirmou hoje que não vai visitar a Casa Branca após o Campeonato do Mundo que decorre em França, devido às divergências com o presidente Donald Trump.

"Eu mantenho os meus comentários sobre não ir à Casa Branca", declarou a atacante norte-americana no arranque da conferência de imprensa de antevisão dos quartos de final do Mundial feminino, no qual os EUA vão defrontar a anfitriã França.

E acrescentou: "Eu acho que não vou e encorajo as minhas companheiras a refletirem sobre isto. É uma administração que não pensa como nós e que não se bate pelas mesmas coisas que nós nos batemos".

Seleção feminina dos EUA protesta contra desigualdade salarial, Trump responde com Ronaldo
Seleção feminina dos EUA protesta contra desigualdade salarial, Trump responde com Ronaldo
Ver artigo

A polémica entre Rapinoe e Trump estalou na terça-feira, dia em que foi divulgado um vídeo pela revista Eight by Eight - que terá sido gravado há vários meses - no qual a capitã norte-americana afirmou que não tem intenção de visitar a "merda da Casa Branca", caso seja convidada, e considerando mesmo que a equipa feminina não vai ser convidada por Trump.

"Megan nunca deve desrespeitar o nosso país, a Casa Branca e a nossa bandeira", reagiu na quarta-feira o líder dos EUA através da rede social Twitter, depois de já ter criticado Megan Rapinoe durante uma entrevista ao jornal The Hill pela sua atitude de protesto enquanto toca o hino nacional norte-americano antes dos jogos do Mundial (a jogadora não canta, nem coloca a mão no peito).

Trump assegurou já, também via Twitter, que vai convidar a seleção feminina para visitar a Casa Branca em caso de vitória, ou não, na competição.

Mas Rapinoe, que é assumidamente homossexual, não desarma e, hoje, mesmo pedindo desculpa por ter utilizado uma linguagem menos própria na adjetivação que fez à Casa Branca, mantém a sua posição de recusar qualquer convite da Administração Trump.

De resto, a sua posição contra as políticas de Trump, sobretudo, no que toca aos direitos das minorias - como a comunidade homossexual, os cidadãos de raça negra e os emigrantes - já vem de trás, quando, em 2016, se solidarizou com o antigo jogador de futebol americano Colin Kaepernick, dos San Francisco 49ers, que iniciou um protesto contra a injustiça social e racial nos EUA, recusando-se a permanecer de pé enquanto tocava o hino dos EUA, uma atitude que Megan seguiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.