Em 2016, Rafa Nadal viveu um período menos fulgurante na carreira, ao acumular lesões atrás de lesões. Foi nesse ano que contratou Carlos Moyá para seu treinador.

O espanhol explica de que forma inverteu a tendência e ajudou a aprimorar o ténis de Rafa.

"O Rafa teve problemas com lesões desde 2015 e também de confiaça. Não estava a trabalhar bem e a cabeça muito bem. Em 2016 regressou e lesionou-se no pulso… A minha ideia passou por convencê-lo a ser mais agressivo e isso passava por melhorar o serviço. Creio que a grande evolução foi no segundo serviço. Normalmente tentava meter sempre muitos primeiros porque sabia da debilidade do segundo, mas começava o ponto a defender. Eu tentei que passasse a pensar ponto a ponto, mudar o ritmo das jogadas e ter pontos mais curtos. Tive sorte porque mal cheguei à equipa técnica ele foi à final do Open da Austrália", explicou em declarações à Eurosport.

Moyá recordou ainda o título ganho em Roland Garros em 2017.

"Eu estava nervoso, um pouco mais do que o normal porque vínhamos da derrota com o Federer na final da Austrália e o Rafa não ganhava um grande título desde 2014. Três anos! Tinha 31 anos e não sabíamos se voltaria ao lugar que lhe pertence, mas o ténis que jogou nesse torneio foi o melhor que vi nos últimos três ou quatro anos."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.