A vitória de Max Verstappen (Red Bull) no Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1 permitiu ao piloto holandês ascender ao terceiro lugar do Mundial de Fórmula 1, quando falta apenas uma prova para o final do campeonato.

O piloto da Red Bull bateu por 6,077 segundos o francês Pierre Gasly (Toro Rosso), segundo colocado, e por 6,139 o britânico e já campeão Lewis Hamilton (Mercedes), que foi penalizado em cinco segundos após o final da prova e caiu para sétimo.

Os comissários consideraram que Hamilton foi responsável por uma colisão com o malaio Alexander Albon (Red Bull), na penúltima volta da corrida, que acabou por fazer um pião quando era segundo classificado.

Hamilton acabaria por pedir desculpas pelo toque antes de subir ao pódio. "Foi culpa minha", assumiu o campeão mundial.

Com esta penalização, o espanhol Carlos Sainz (McLaren) subiu ao terceiro lugar da corrida, depois de ter partido da última posição da grelha (20.º). É o primeiro pódio da escuderia britânica desde 2014.

"Sei que o Lewis [Hamilton] não fez de propósito. Não estou zangado com ele", disse Albon.

A prova brasileira teve um final de ‘cortar a respiração’, primeiro com o motor do Mercedes do finlandês Valtteri Bottas partido na volta 53, que obrigou à entrada do ‘safety car', para reagrupar os pilotos a 18 voltas do final.

Verstappen aproveitou para trocar para pneus macios, deixando Hamilton na liderança com borrachas 11 voltas mais gastas.

O ‘golpe de teatro’ aconteceu a cinco voltas do final da corrida, com um incidente entre os dois Ferrari, que acabaram fora de prova, com os pneus furados.

O monegasco Charles Leclerc ultrapassou o alemão Sebastian Vettel, que procurou devolver a manobra duas curvas mais tarde, usando o DRS. Ao passar pelo companheiro de equipa, fletiu para o interior da pista e acertou com a roda traseira esquerda no pneu dianteiro direito de Leclerc.

"Estou muito desapontado. Deixei-lhe um pouco de espaço pelo exterior, mantive a minha linha e tivemos um pequeno contacto", explicou Leclerc. Vettel revelou apenas ter "pena pela equipa". Os dois acabaram por ser chamados aos comissários, que ainda investigam o incidente.

Este acidente provocou nova entrada do ‘safety car', que voltou a reagrupar o pelotão. No recomeço, Verstappen passou Hamilton, que ainda foi ultrapassado por Albon. Na luta entre os dois, acabaram por tocar-se, aproveitando o francês Pierre Gasly para saltar para segundo.

Verstappen cortaria a meta após 1:33.14,678 horas de corrida. "Era a minha última hipótese e tinha de a aproveitar, pois sabia que tinha boa velocidade de ponta", disse o holandês, após conquistar a oitava vitória da carreira.

Com estes resultados, Lewis Hamilton segue na frente, com 387 pontos, tendo já garantido matematicamente o sexto título da carreira. Bottas mantém o segundo lugar, com 314 pontos, enquanto Verstappen sobe a terceiro, com 260.

Leclerc é quarto, com 249, mais 19 do que Vettel, que é quinto.

O campeonato encerra dentro de duas semanas, em Abu Dhabi.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.