O capitão da seleção portuguesa de futsal, Ricardinho, disse hoje que o objetivo na próxima temporada no seu novo clube, o ACCS Paris, é ser campeão francês e lutar ‘final four’ na Liga dos Campeões.

“O meu objetivo é sempre ganhar, jogue em qualquer liga do mundo, pois quero ser sempre campeão. [No ACCS Paris] Queremos ser campeões, tentar chegar à 'final four' da Liga dos Campeões mas também promover a formação e a estrutura do clube e do futsal em França”, destacou.

O ala português, de 34 anos, que está de saída da equipa espanhola do Inter Movistar após sete épocas consecutivas, falava durante o programa em direto ‘Futsal Talks’, do comentador de futsal Rui da Cruz, transmitido hoje na rede social Instagram.

Ricardinho assinou em janeiro um contrato até ao final da época 2022/2023 com o clube parisiense, que foi declarado pela primeira vez campeão francês após o cancelamento da prova que liderava devido à pandemia de COVID-19.

O título inédito permite ainda ao ACCS Paris estrear-se na Liga dos Campeões na próxima temporada.

O ala luso lembrou as dificuldades que uma equipa estreante terá, mas revelou a ambição de chegar à fase final daquela prova pelo clube que já anunciou a contratação do treinador espanhol Jesús Velasco, ex-Inter Movistar, e do capitão da seleção espanhola Carlos Ortiz e do internacional brasileiro Humberto, ambos colegas de Ricardinho no clube espanhol.

O capitão do Benfica, o internacional português Bruno Coelho, também já foi oficializado como reforço do ACCS Paris.

Sobre a sua mudança para o futsal francês, Ricardinho destacou estar a dar “muitos estalos de luva branca” a quem criticou o projeto desde início.

“Estamos a tentar contratar o núcleo duro da seleção francesa e com estes reforços já anunciados queremos ajudar à evolução do futsal em França”, destacou.

O internacional português realçou ainda que com estes reforços “já há outros clubes a contratar” e que “a liga francesa já está a chamar à atenção”.

Ricardinho garantiu que o seu projeto em França terá “formação obrigatoriamente”.

“Estamos a trabalhar para formar realmente jogadores de futsal. Vai haver mais interesse pelo futsal”, atirou.

O jogador, que já foi eleito seis vezes como o melhor jogador do mundo, anunciou também um acordo com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) para a transmissão de “todos os jogos” do ACCS Paris no Canal 11.

“Só aí já foi uma loucura, pois a federação francesa e os clubes não estavam preparados e isso fará parte do crescimento”, apontou.

Com uma grande comunidade portuguesa na região de Paris, Ricardinho confessou ainda que o clube já recebeu “mais de 30 mil pedidos” para assistirem à sua apresentação, lembrando que o pavilhão onde o clube joga tem capacidade para 2500 lugares.

De saída do Inter Movistar, onde conquistou por cinco vezes o campeonato espanhol, o português revelou na entrevista estar “desapontado” pelo tratamento dado pelo clube no seu último ano.

“Merecia mais do que isto por tudo o que dei. Desde que começou esta quarentena tenho duas mensagens do staff técnico e dos diretores tive chamadas na primeira semana e até hoje mais nada”, sublinhou.

Ricardinho contou ainda que continua em Espanha, após o clube lhe ter indicado estar “em teletrabalho”.

“Ainda não vi os meus filhos, não pude voltar a Portugal, enquanto há companheiros que estão no Brasil ou em outros lados. Há muitas coisas que estão a fazer mal, infelizmente”, acrescentou.

Analisando a sua passagem por Espanha, Ricardinho disse ainda que “ajudou muito” o Inter Movistar tal como o clube o ajudou e garantiu que “irá estar grato até ao último dia”.

O internacional português atuou nas últimas sete temporadas no Inter Movistar, depois de já ter representado o Nagoya Oceans, do Japão, o CSKA Moscovo, da Rússia, e o Benfica.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.