O português João Almeida perdeu quinta-feira a camisola Rosa do Giro2020, ao terminar no sétimo posto, na 18.ª etapa da prova, a mais dura da edição deste ano da prova, marcada pela subida ao Stelvio, montanha com 2.758 metros de altitude. Mas a forma como lutou para dentar segurar a liderança não passou despercebia a ninguém. Terminada a etapa, não pararam os elogios ao português, agora 5.º da geral, a pouco mais de dois minutos do novo líder, o holandês Wilco Kelderman.

Um dos mais elogiosos foi o Fausto Masnada, colega de João Almeida na Deceuninck-Quick Step, principal 'escudeiro' do português nesta Volta a Itália, que disse ter gasto "todas as energias" para ajudar o português.

"Tenho muita pena por termos perdido a camisola rosa do João Almeida, mas gastei todas as minhas energias para ficar com ele o mais que me foi possível. Amanhã é outro dia e Milão está cada vez mais perto", escreveu no seu twitter o ciclista italiano de 26 anos, juntando uma foto na qual o português o abraça.

Masnada chegou a ser criticado por não ajudar João Almeida o suficiente, acusado de estar mais preocupado em garantir o seu lugar no 'top 10' da classificação, mas o João Almeida não parece ir por aí e fez questão de agradecer a ajuda e o apoio do colega de equipa. "Obrigado, foste fantástico. Tu e toda a equipa! Isto não seria possível se eu não tivesse tido toda a 'matilha' comigo", escreveu, em resposta, o ciclista português.

Outro colega de João Almeida na Quick Step, Remco Evenepoel, que falhou o Giro devido a uma grave queda sofrida semanas antes, também prestou tributo ao português de 22 anos. "Chapeau João Almeida e Deceuninck. Tiro o chapéu pela vossa coragem e determinação, campeões! Boa sorte para os próximos dias", escreveu, também na rede social Twitter.

A própria equipa fez questão de publicamente elogiar Almeida. "Nada a não ser respeito interminável e admiração por este jovem rapaz, que durante 15 dias honrou a icónica camisola rosa do Giro", pode ler-se na conta oficial da Deceuninck-Quick Step no Twitter.

E, do lado dos adversários, também vieram palavras elogiosas. O campeoníssimo Vincenzo Nibali, da Trek-Segafredo, que ao longo da sua carreira já venceu as três grandes voltas (França, Espanha e Itália), cruzou a meta no 8.º lugar da 18.ª etapa, logo atrás de João Almeida e, após a tirada, na sua conta oficial no Instagram, deixou uma mensagem de incentivo ao corredor português.

"Hoje certamente não foi um dia bom para mim nem para o camisola rosa. Mas o importante foi termos dado tudo. Boa sorte, João Almeida", escreveu Nibali.

Por cá, entre muitos elogios, a Federação Portuguesa de Ciclismo e a organização da Volta a Portugal, através das respetivas páginas oficiais no Instagram, não deixaram passar em claro tudo o que João Almeida (e também Rúben Guerreiro) têm feito por terras italianas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.