As sete equipas do escalão Continental Profissional em Portugal contactadas pela Lusa manifestaram disponibilidade e vontade de prolongar a época de ciclismo até outubro, face à necessidade de corridas para minimizar o impacto económico provocado pela pandemia da COVID-19.

Com a Volta a Portugal elencada como essencial pelos diretores desportivos, pelo impacto económico e de retorno mediático que traz, a possibilidade de se correr durante mais tempo do que o normal, para lá de agosto e até setembro ou mesmo outubro, é acolhida pelos vários dirigentes.

Pelo caminho, devido à expansão da pandemia, ficaram provas canceladas ou adiadas, como a Volta ao Alentejo ou várias clássicas nacionais de primavera, enquanto a União Ciclista Internacional (UCI) ordenou a suspensão de todo o ciclismo até 31 de maio.

A Federação Portuguesa de Ciclismo tem estudado vários planos para reorganizar os calendários num país que acolhe, nas várias vertentes e escalões, cerca de 800 eventos por ano.

A ideia, que o presidente Delmino Pereira afirma à Lusa estar em cima da mesa, recolhe parecer positivo porque "é uma mais valia" e permite "compensar de alguma forma a época e os patrocinadores, que precisam de rentabilidade".

Quem o diz é o diretor desportivo da Aviludo-Louletano, Jorge Piedade, que espera que "organizadores de corridas e a federação façam essa proposta".

Para já, a situação está normal, mas sabemos que terá implicações. "Temos de aguardar e ver o que acontece, estamos preparados. Mas era importante as pessoas saberem que realmente vai haver provas, que a época vai ser prolongada, [porque] é uma garantia para que os patrocinadores possam fazer um esforço", reforça à Lusa Joaquim Andrade, que dirige a equipa do Feirense.

Joaquim Andrade lembra ainda que Portugal é "um país com todas as condições para prolongar o calendário pelo menos até ao final de outubro".

"O nosso país tem normalmente o final da época ali por agosto, e é um desperdício não aproveitar o mês de setembro e parte de outubro, porque têm condições excelentes para a prática do ciclismo. Esperemos que isto sirva, ao menos, para tirar algumas lições", acrescenta.

Rúben Pereira, da Efapel, e Manuel Correia, da Kelly/InOutBuild/UDO, concordam num possível reajustamento das datas da Volta, marcada para decorrer de 29 de julho a 11 de agosto, com Pedro Silva, da Miranda-Mortágua, a lembrar que "não há só o mês de agosto" para acomodar provas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da COVID-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 89 mil. Dos casos de infeção, mais de 312 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.