A Mitchelton-Scott reduziu “substancialmente” os salários dos seus ciclistas, tornando-se na quinta equipa do WorldTour a eleger esta opção para conseguir mitigar o impacto da suspensão competitiva motivada pela pandemia da covid-19.

A formação australiana confirmou hoje aos sites especializados CyclingNews e Velonews que os seus ciclistas e ‘staff’ sofreram uma redução “substancial” nos salários, como medida para evitar despedimentos.

Entre os 28 corredores da única equipa da Austrália no principal escalão do ciclismo mundial estão os irmãos britânicos Simon e Adam Yates, respetivamente vencedor da Vuelta em 2018 e quarto classificado no Tour em 2016, e o colombiano Esteban Chaves, segundo no Giro em 2016.

Esta equipa junta-se a Lotto-Soudal, Astana, Bahrain McLaren e CCC entre as equipas do pelotão WorldTour a terem anunciado cortes salariais nas suas estruturas durante o período de inatividade.

Na semana passada, a União Ciclista Internacional estendeu a suspensão do calendário velocipédico até 01 de junho.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 70 mil morreram. Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.