A selecção de Cabo Verde de basquetebol sénior masculina encontra-se parcialmente concentrada na cidade da Praia, em estágio de preparação, para defrontar a Argélia na primeira fase de apuramento para o Afrobasket’2021.

De acordo com a FIBA-África, Cabo Verde terá de deslocar-se à Argélia para enfrentar a formação magrebina nos dois jogos desta eliminatória, agendados para os dias 15 e 16 do corrente.

O seleccionador nacional Emanuel “Mané” Trovoada já trabalha com os nove seleccionados residentes e espera contar a partir desta terça-feira com a vinda de alguns dos atletas que evoluem no profissionalismo no estrangeiro, como Ivan Almeida, Kevin Coronel, Keven Gomes de entre outros considerados potenciais reforços para o combinado cabo-verdiano.

Trovoada critica, entretanto, a forma como a FIBA África calendarizou esta eliminatória para uma data que o mesmo considera “inconveniente”, o que penaliza os jogadores cabo-verdianos que jogam na Europa, porquanto os clubes não são obrigados a dispensar os atletas ao meio da competição e fora de uma data-FIBA.

Emanuel Trovoada alertou que a Europa e o resto do mundo têm uma visão em que os melhores jogadores têm de representar os seus países, ao passo que, na sua visão a FIBA África vem prejudicando o continente com a marcação das provas nestas datas, o que impossibilita que os melhores jogadores participem nestas competições.

Mané Trovoada disse acreditar que houve interesse outros, já que esta preliminar foi marcada pela FIBA-África numa altura em que a EuroLiga, considerada das maiores provas de clubes a nível mundial, está em competição, prova que não conta com qualquer jogador argelino, mas que penaliza Cabo Verde com a vinda de uma das suas maiores figuras, o gigante Edy Walter Tavares, que milita no Real Madrid (Espanha).

Afora isto, recorda que outros jogadores cabo-verdianos que militam na Europa têm competição na Europa por estas alturas, mas atirou-se também contra a organização do desporto no país, pois que em pleno Janeiro ainda as competições internas não arrancaram, alegadamente por falta de condições para o arranque das provas.

Ainda assim, promete trabalhar os convocados num esforço titânico a nível físico, táctico e técnico para que os atletas possam chegar a atletas com o maior ritmo competitivo possível, de forma a ganhar a eliminatória na Argélia e apurar o combinado cabo-verdiano para a fase final do Afrobasket’2021.

Em caso de passagem desta pré-eliminatória, Cabo Verde vai entrar na fase de grupo ao lado das selecções nacionais da Nigéria, Ruanda e Mali.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.