O antigo internacional angolano Jean Jacques da Conceição pretende resgatar a mística do basquetebol angolano, caso seja eleito presidente da federação angolana da modalidade, em Setembro deste ano.

Falando hoje, em Luanda, em conferência de imprensa de apresentação oficial da sua candidatura ao cadeirão máximo da FAB, para o ciclo olímpico 2020/2024, o único africano a fazer parte do hall da fama da FIBA disse que o objectivo é voltar aos tempos dos triunfos e da disciplina financeira do país.

Admitiu não ser tarefa fácil, pelo que vai contar com o contributo de todos para a concretização dos objetivos traçados.

“Não se admite ver antigos praticantes, que deram o seu sangue em prol do basquetebol, totalmente desinteressados com a modalidade. Não vão aos pavilhões, muito menos querem ouvir falar desta disciplina, que já deu 11 títulos africanos ao país. Não podemos deixar a situação continuar assim, vamos resgatar os valores perdidos”, enfatizou o antigo poste.

Para tal, Jean Jacques da Conceição, que já passou pelo órgão reitor da modalidade em Angola como vice-presidente, no consulado de Gustavo da Conceição,  disse que estará aberto a outras ideias, desde que sejam positivas, para voltar a colocar Angola ao mais alto nível.

Em 2012, o sete vezes campeão africano pela seleção angolana desistiu, à última hora, de se candidatar à presidência da Federação Angolana de Basquetebol, acabando por integrar a lista de António Henriques na luta pelo cadeirão da FAB.

Como atleta, Jean Jacques da Conceição representou o 1º de Agosto (Angola), Sport Lisboa e Benfica (Portugal), Limoges da França, Unicaja da Espanha, Portugal Telecom, clubes com os quais conquistou vários títulos, entre campeonatos e taças.

O seu elenco para a presidência da FAB conta com quatro vice-presidentes, nomeadamente Heldebrando Teixeira, António Agostinho Aragão, Weza Fortunato e Laura Agostinho, tendo como secretário-geral José Domingos.

A Mesa da Assembleia Geral será presidida por Carlos Alberto Masseca e o Conselho Fiscal e o Conselho Jurisdicional liderados por António Pires Ferreira e Sebastião Fernandes, respectivamente.

A presidência da FAB tem três outros aspirantes, nomeadamente José Moniz da Silva, antigo vice-presidente para o basquetebol do 1º de Agosto, Manuel Moreira, ex-dirigente do Progresso Associação Sambizanga, e Manuel Docas, presidente da Associação de Basquetebol de Benguela.

Depois da crise diretiva que se instalou na FAB, que culminou com a demissão do então presidente de direção, Hélder Martins da Cruz “Maneda”, os amantes da modalidade esperam que o próximo gestor do órgão seja alguém capaz de reorganizar a federação em quatro anos.

Uma Comissão de Gestão “ad hoc”, coordenada por Gustavo da Conceição, dirige atualmente a federação e tem a missão de preparar o processo eleitoral e realizar o pleito dentro dos prazos estabelecidos pelo Ministério da Juventude e Desportos (MINJUD).

De acordo com uma diretriz deste organismo que tutela o desporto em Angola, as federações nacionais devem efetuar os pleitos eleitorais até finais de Setembro do corrente ano.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.