O Comité Olímpico Internacional (COI) garantiu hoje querer colaborar no processo de vacinação contra a covid-19 dos participantes nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, mas não pretende reivindicar acesso prioritário para os atletas.

Em comunicado, o COI explica que “continua a apoiar firmemente a prioridade da vacinação de grupos vulneráveis e de pessoas que garantem a manutenção dos cuidados de saúde e segurança”.

Com esta posição, o COI afasta a possibilidade de fazer depender a realização do evento, previsto para decorrer entre 23 de julho e 08 de agosto, da vacinação de todos os atletas, um processo difícil do ponto de vista prático e ético.

Antes do surgimento de novas variantes do novo coronavírus, que tem levado a um agravamento da pandemia de covid-19, o COI considerou que as vacinas “são uma das muitas ferramentas” de combate à covid-19, mas não a arma decisiva.

O comité organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio2020 tem garantido que aposta em “procedimentos específicos, como quarentena, fornecimento de testes e de equipamento de proteção” para proteger os participantes nos dois eventos.

Assim que a vacinação estiver disponível para a população considerada não prioritária, o comité organizador tenciona apelar aos comités olímpicos e paralímpicos para que os atletas sejam vacinados nos seus países de origem.

O acesso às vacinas tem muitas desigualdades de país para país e está dependente das disponibilidades de doses e das prioridades dos governos nacionais.

No Japão, onde a opinião pública é cada vez mais contra a realização dos Jogos Olímpicos nas datas previstas, a campanha de vacinação não deverá começar antes do final de fevereiro.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.