O Sporting parte para a edição 2020/21 da I Liga depois de um modesto quarto lugar em 2019/20, época em que o clube bateu o seu recorde no que toca ao numero de derrotas sofridas numa só temporada no conjunto de toda as provas. Nada mais, nada menos do que 17. Rúben Amorim, que assumiu o comando da equipa a meio da temporada passada, tendo então tentado implementar as suas ideias num plantel já formado, vai agora ter oportunidade de montar uma equipa mais à sua imagem desde.

Saiba mais sobre o arranque da I Liga 2020/21

Será a primeira vez que o técnico de 35 anos vai iniciar uma temporada como treinador principal, o que constituirá o maior teste da sua carreira até à data. Uma carreira que teve um início auspicioso no Sp.Braga, com uma série de vitórias e de boas exibições ao leme do Sp.Braga que levaram o Sporting a avançar para a sua contratação. Cabe, agora, a Rúben Amorim provar que esse início fulgurante não foi obra do acaso e, para o fazer, deverá dar continuidade à aposta nos jovens que levou a cabo desde a chegada a Alvalade.

Nomes como Eduardo Quaresma, Nuno Mendes, Gonzalo Plata, Jovane Cabral e Tiago Tomás, entre outros, mostraram muitas qualidades às ordens de Amorim no final da temporada passada e, ao lado de 'caras novas' como João Palhinha, que regressa depois de duas épocas emprestado ao Braga, e Pedro Gonçalves, contratado ao Famalicão, poderão afirmar-se em definitivo, contribuindo decisivamente para que os 'leões' vivam uma temporada bem mais feliz do que a anterior. Porém, são muitas as dúvidas que se levantam quanto à possibilidade de discutirem o título.

E os casos de COVID-19 detetados no plantel a apenas uma semana do arranque da I Liga, que levaram mesmo ao adiamento do encontro da primeira jornada, com o Gil Vicente, vieram trazer ainda mais dúvidas aos 'leões' para a época que agora se inicia.

Entradas

São, à altura do arranque da nova edição da I Liga, seis os reforços que chegaram a Alvalade para a nova época, numa política de contratações que mostra uma tentativa de conjuntar juventude com maior experiência.

O primeiro reforço a ser anunciado para 2020/21 foi o experiente lateral-esquerdo Antunes, contratado a custo-zero depois de ter rescindido com os espanhóis do Getafe alguns meses antes. O internacional português de 33 anos deverá lutar com o bem mais jovem Nuno Mendes por um lugar na ala esquerda dos 'leões'. Para a ala direita chegou, depois, o espanhol Pedro Porro, de 20 anos, emprestado pelo Manchester City por duas épocas e que irá concorrer com Ristovski pela titularidade.

Para conferir experiência ao centro da defesa o Sporting foi buscar o marroquino Zouhair Feddal, de 31 anos, ao Bétis, por cerca de três milhões de euros. Central reconhecido por sair a jogar com qualidade, parece encaixar na perfeição no 3x4x3 de Amorim e, à partida, jogará ao lado de Coates e Eduardo Quaresma no centro da defesa leonina. Também de Espanha, e para disputar a baliza com Luís Maximiano, veio, a custo-zero, o guarda-redes Adán.

Do mercado interno chegaram os outros dois reforços, dois jogadores que brilharam nos respetivos clubes na época passada e que poderão acrescentar qualidade ao futebol 'verde e branco'. Nuno Santos, extremo de 25 anos, chega do Rio Ave, onde apontou cinco golos em 38 jogos em 2019/20, a troco de 3 milhões de euros mais Gelson Dala e Francisco Geraldes, e Pedro Gonçalves, médio de 22 anos, chega do Famalicão, onde foi na última temporada uma das principais figuras daquela equipa sensação de 2019/20.

Mas há outro nome que, não sendo propriamente uma nova contratação, pode ser um reforço importante para Rúben Amorim: João Palhinha regressa depois de terminado o empréstimo ao Sp.Braga e deverá ter lugar cativo no meio-campo mais recuado dos 'leões'.

Saídas

Há ainda muitas 'dores de cabeça' por resolver no Sporting até ao fecho do mercado de transferências, mas há já alguns dossiers resolvidos no que toca aos jogadores que partem do clube, sendo que uns deixarão mais saudades do que outros.

Bolasie, Jésé Rodríguez e Fernando saíram ainda antes do final da época passada e ninguém dará, certamente, pela sua falta, e o mesmo se passará com Eduardo Henrique, emprestado aos italianos do Crotone depois de uma primeira temporada para esquecer em Alvalade. Igualmente cedido pelos 'leões' foi outro médio defensivo, Rodrigo Battaglia, emprestado ao Alavés depois de perder espaço no plantel na sequência das várias lesões que o foram afetando.

Francisco Geraldes, por seu lado, deixou, em definitivo, o clube de Alvalade, onde teimou em nunca se conseguir afirmar, envolvido no negócio da contratação de Nuno Santos ao Rio Ave. E há ainda a assinalar o adeus de Jérémy Mathieu, que deu por terminada a sua carreira perto do fim da última época.

Mas a principal 'baixa' no plantel em relação a 2020/21 será mesmo Marcos Acuña. Internacional argentino de reconhecida qualidade, e visto como um dos melhores jogadores do plantel nas últimas duas épocas, o esquerdino foi vendido ao Sevilha por 10,5 milhões de euros, num negócio que poderá ainda 'crescer' em mais dois milhões. Ainda assim, e apesar de um jogador com a qualidade de Acuña fazer sempre falta a uma equipa como o Sporting, o jovem Nuno Mendes já mostrou ter valor para poder fazer esquecer o argentino na ala esquerda da equipa às ordens de Rúben Amorim.

Excedentários

Por resolver estão ainda vários dossiers. Por colocar estão, por exemplo, dois laterais direitos: Bruno Gaspar e Valentin Rosier. O primeiro esteve na época passada cedido ao Olympiacos, que contudo não exerceu a cláusula de opção para a sua contratação definitiva, e o segundo ficou longe de agradar na primeira época em Alvalade. Há também um lateral esquerdo, Lumor, que vai para já treinando à parte do plantel, falando-se de um possível interesse do Hannover.

Os defesas-centrais Ilori, com contrato até 2024, e Ivanildo estão a trabalhar com a equipa B enquanto o Sporting não encontra colocação para ambos. Uma situação idêntica à vivida pelo médio Miguel Luís, que parece não ser também aposta para Rúben Amorim. Sobram ainda dois médios brasileiros - Matheus Oliveira e Bruno Paulista - e um médio sérvio - Misic. Mais à frente, Camacho também parece não contar para o treinador e há ainda  Abdoulay Diaby para colocar.

Pré-época: Pedro Gonçalves a deixar água na boca, mas muito para melhorar

O Sporting disputou seis partidas nesta pré-época - tendo a sétima, e aquele que seria talvez o pricipal teste, no Troféu Cinco Violinos, frente ao Nápoles, sido adiado devido aos casos de COVID-19 no plantel. Somou três vitórias, um empate e duas derrota - uma logo na primeira partida, diante do Sporting B, por 2-0, e outra por 2-1, frente ao Farense. Os triunfos foram frente a Portimonense, Valladolid (ambos por 2-1) e Belenenses SAD (3-1). O último encontro terminou com um empate a um golo ante o Marítimo.

Pedro Gonçalves tem sido o reforço em maior destaque, com alguns pormenores bem interessantes, assistências e dois golos marcados. Também Jovane Cabral, Sporar e o jovem avançado Tiago Tomás - uma das principais revelações neste início de época - marcaram por duas vezes nesta pré-temporada. Os resultados, contudo, e as exibições mostram que Rúben Amorim tem ainda muito trabalho pela frente.

Onze provável

Rúben Amorim deverá manter-se fiel ao 3x4x3 de que tanto gosta e que procurou introduzir desde que assumiu o leme da equipa, a meio da época passada. Assim, e agora já com alguns reforços que lhe permitirão montar uma equipa mais à sua imagem, o técnico conta com algumas boas dores de cabeça para formar o seu 'onze tipo', dado ter agora um plantel com mais opções ao seu dispor.

A primeira dúvida surgirá logo na baliza, onde terá de decidir entre manter a aposta no jovem Max ou dar o lugar ao mais experiente Adán, contratado para esta nova época. Situação idêntica verificar-se-á nas alas, com o duelo Antunes-Nuno Mendes por um lugar na esquerda e Porro-Ristovski por um lugar na direita. No centro da defesa não haverá muitas dúvidas, mas estas voltam a surgir quando se olhar para quem jogará no apoio a Sporar, que será indiscutível como ponta-de-lança, faltando talve um concorrente direto para o esloveno.

Ainda assim, o onze que andaria na cabeça de Rúben Amorim para começar a época não seria muito diferente deste: Max; Quaresma, Coates, Feddal; Nuno Mendes, Palhinha, Wendel; Pedro Gonçalves, Jovane Cabral e Sporar. Planos entretanto afetados pelos casos de COVID-19 que atingiram o plantel...

Saiba mais sobre o arranque da I Liga 2020/21

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.